"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Conhecendo os Ninhos das Aves

CONHECENDO OS NINHOS DAS AVES
Geraldo Victorino de França (Voinho)

As aves são ovíparas e constroem ninhos, nos quais depositam seus ovos e criam
seus filhotes. Os ninhos variam de simples escavações no solo, feitas por aves pernaltas,
passando por ninhos feitos de gravetos, capim e folhas, em forquilhas de árvores, até os ninhos suspensos, feitos com fios trançados.
Os ninhos variam de tamanho, desde o do beija-flor, com pouco mais de 2 centímetros, até o de certas águias, que chegam a ter 2,5 metros de diâmetro. Na sua construção são usados os mais diversos materiais; o beija-flor faz seu minúsculo ninho com fios de teia de aranha e palha fina. Outras aves utilizam penas, gravetos, capim, folhas, etc. O joão-de-barro utiliza lama e excremento bovino, que amassa com os pés e o bico.
Localizam-se em diferentes alturas, desde o chão até cerca de 30 metros, no alto das árvores, embora a maioria deles fique em torno de 2 - 3 metros do solo.
A lama é um material muito usado para a construção de ninhos por flamingos, andorinha dos penhascos joão-de-barro, etc. O joão-de-barro constrói uma bola ôca, dura como pedra, que chega a pesar 4 Kg, tendo uma porta de entrada e uma câmara, que se localiza no galho das árvores ou no alto de postes telefônicos.
Os ninhos suspensos são construídos por peritos artesãos, como o papa-figo. Eles tecem cestos que ficam pendurados nos galhos laterais das árvores.
Poucas aves constroem um ninho tão estranho como os andorinhões, que usam a saliva com gravetos, capim, etc. Depois de seco, o ninho fica duro como pedra.
Finalmente, existem aves que não constroem ninhos, mas aproveitam os ninhos alheios; e há outras que põem os ovos em qualquer ninho e não se preocupam de chocá-

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Origem de nomes de cidades e estados brasileiros

(Rio Piracicaba)

ORIGEM DE NOMES DE CIDADES E ESTADOS BRASILEIROS

Muitas cidades e estados brasileiros têm nomes de origem indígena, como por exemplos:

Cidades Significado

1. Araraquara............ toca das araras
2. Botucatu .............. bons ares
3. Guaratinguetá ...... muitas garças
4. Ibitinga ................. bica de pedra
5. Piracicaba ........... local onde o peixe para
6. Tatuí .................. rio dos tatus
7. Taubaté ............... aldeia elevada
8. Igaraçu ................ canoa grande
9. Araçatuba ............ lugar onde crescem araçás

Estados Significado

1. Ceará .................. canto da ave jandaia
2. Pará .................... rio caudaloso
3. Paraíba ............... rio ruim ( não navegável ou não piscoso )
4. Paraná ................ rio semelhante ao mar
5. Pernambuco ........ pedra furada
6. Piauí ................... rio das piabas
7. Tocantins ............ bico de tucano.

sábado, 20 de novembro de 2010

Conhecendo a Tragédia do Titanic


CONHECENDO A TRAGÉDIA DO TITANIC
Geraldo Victorino de França (Voinho)

O Titanic era um navio transatlântico da White Star Line britânica, com 271 metros de comprimento e deslocando 60.000 toneladas. O grande navio, o maior e o mais luxuoso até então, era considerado insubmergível. Todavia, na sua viagem inaugural , colidiu com um grande iceberg a cerca de 150 km a sudeste da Terra Nova ( Canadá ); rompeu o casco e afundou com 1.511 pessoas a bordo. A colisão ocorreu pouco antes da meia-noite do dia 14 de abril de 1.912, e o naufrágio ocorreu às 2:20 horas do dia 15.

Essa tragédia serviu de base para as conferências internacionais de 1.929 e 1.948 sobre a segurança da vida humana no mar. Foi então criada a Patrulha Internacional do Gelo, constituída por navios especializados cuja tarefa é localizar e comunicar a posição de icebergs e, se possível, destruí-los a tiros de canhão.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Conhecendo mais sete listas de "Sete"

CONHECENDO MAIS SETE LISTAS DE " SETE "
Geraldo Victorino de França (Voinho)

1. Sete dias da semana: domingo, segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira e sábado.
2. As sete notas musicais: do, ré, mi,fa, sol, la, si.
3. Sete belas-artes: música, pintura, desenho, escultura, arquitetura, literatura e coreografia.
4. Os sete cargos eletivos nas eleições brasileiras: presidente, senador, deputado federal, governador, deputado estadual, prefeito e vereador.
5. As sete virtudes humanas: esperança, fortaleza, prudência, amor, justiça, fé e temperança.
6. Os sete sacramentos: batismo, crisma, eucaristia, sacerdócio, penitência, matrimônio e extrema-unção.
7. Os sete palmos das sepulturas.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Conhecendo as sete listas de "sete"

CONHECENDO AS SETE LISTAS DE " SETE "
Geraldo Victorino de França (Voinho)

1. Os sete continentes: América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia, África, Austrália e Antártida.
2. As sete cores do arco-íris: vaavaav ( para guardar a sequência ) - vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta.
3. As sete maravilhas do mundo antigo: estátua de Zeus ( Grécia ), templo de Ártemis ( Turquia ), jardins suspensos da Babilonia ( Iraque ), pirâmide de Gizé ( Egito ), mausoléu de Alicarnasso ( Turquia ), farol de Alexandria ( Egito ), colosso de Rodes ( Grécia ). A única que resta é a pirâmide de Gizé.
4. As sete maravilhas do mundo moderno: Grande Muralha ( China ), Petra ( Jordânia ), Cristo Redentor ( Brasil ), Chichén
Itzá ( México ), Machu Pichu ( Peru ), Coliseu ( Roma ), Taj Mahal ( Índia ).
5. Os sete anões: Mestre, Feliz, Dunga, Soneca, Atchim, Dengoso e Zangado.
6. Os sete sábios da Grécia antiga Sólon, Petrarca, Quílon, Tales de Mileto, Cleóbulo, Bias e Periandro.
7. Os sete pecados capitais: gula, avareza, soberba, luxúria, preguiça, ira e inveja.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Conhecendo os Fungos

CONHECENDO OS FUNGOS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Fungos são vegetais primitivos, desprovidos de clorofila e que, portanto, vivem como saprófitas ou parasitas.
As formas saprófitas retiram seu alimento de restos vegetais e animais; as formas parasitas se alimentam de outros organismos ( hospedeiros ). O grau de especificidade é muito variável: alguns fungos vivem em vários gêneros, outros num só gênero ou numa só espécie.
Muitos fungos crescem em forma de filamentos, chamados hifas, que emitem ramos que formam uma trama chamada micélio. Multiplicam-se facilmente por meio de esporos. Popularmente, são chamados mofos ou bolores, e vivem em lugares úmidos. Os fungos de chapéu são chamados cogumelos.
Para a maioria dos autores, os fungos verdadeiros ou Eumicetos constituem uma divisão do reino vegetal. Alguns autores, entretanto, os incluem no reino dos Protistas, juntamente com as algas e os protozoários.
Muitos fungos desempenham papel importante na reciclagem dos nutrientes na natureza; outros se destacam pelo seu valor industrial e comercial, na produção de álcool etílico, na fabricação do pão e da cerveja, na produção de antibióticos (penicilina, estreptomicina ). Muitos fungos são usados na alimentação humana ( champignon ).
Outra peculiariedade dos fungos são as associações simbióticas com outros vegetais como asmicorrizas, em que o fungo se associa às raízes de plantas superiores, quer como os líquens, em que a associação é feita com algas.
Por outro lado, muitos fungos são prejudiciais, causando doenças, tanto nas plantas, como no homem e nos animais.

sábado, 13 de novembro de 2010

Conhecendo Lagartos e Lagartixas

CONHECENDO LAGARTOS E LAGARTIXAS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Lagarto é a denominação dada aos répteis Lacertílios da família dos Teídeos. De modo geral, o povo costuma chamar de lagarto qualquer réptil da ordem Lacertílios ou Sáurios, que abrange lagarto propriamente dito ( ou teiú ), varano, iguana, camaleão etc. São animais úteis, porque se alimentam de insetos, mas são perseguidos porque comem também os ovos das galinhas poedeiras.
O teiú, muito comum no Brasil, tem o aspecto de jacaré, podendo atingir até 2 metros de comprimento, incluindo a longa cauda, que corresponde a 2/3 do comprimento total. Tem a peculiaridade de soltar a cauda quando em perigo, a qual depois se regenera. Defende-se de cães, cobras, etc. desferindo violentos golpes com a cauda.
Os Lacertílios pequenos costumam ser chamados de lagartixas, que possuem os dedos dilatados e providos de lamínulas transversais que funcionam como ventosas, permitindo-lhes subir em paredes. Vivem em habitações humanas, escondendo-se de dia e saindo à noite para caçar insetos. Também podem soltar a cauda, que depois se regenera.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Conhecendo o Mito de Cleópatra

CONHECENDO O MITO DE CLEÓPATRA
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Cleópatra foi a última rainha do antigo Egito. Subiu ao trono aos 17 anos, juntamente com seu irmão Ptolomeu XIII, com quem, segundo o costume egípcio, deveria se casar. Alguns anos mais tarde, privada de qualquer autoridade real, exilou-se na Síria, de onde começou a se preparar para reaver seus direitos pela força das armas. Nesta altura, Júlio Cesar, que seguira Pompeu até o Egito, foi seduzido pelos encantos de Cleópatra, lutando a seu favor na guerra civil que se seguiu. Ptolomeu foi derrotado e morto , sendo Cleópatra reconduzida ao trono, com seu irmão menor, Ptolomeu XIV, então com 11 anos de idade. Não houve relacionamento sexual nesse casamento.
Três anos mais tarde, quando Ptolomeu reclamou sua parcela de autoridade, foi envenenado por sua irmã, que levou ao trono Cesarion, filho de seus amores com Cesar. Dizem que Cleópatra testava a eficiência de seus venenos dando-os aos seus escravos.
Cleópatra viajou para Roma, onde foi recebida por Cesar, com quem viveu até o assassinato dele. Decidiu então voltar para o Egito, tornando-se amante de Marco Antonio, de quem recebeu vastos territórios, como a Judéia e a Arábia. Sua ligação com Marco Antonio e as doações que recebeu a tornaram impopular em Roma, do que se aproveitou Otávio para declarar guerra contra ela. A esquadra egípcia foi destroçada e Cleópatra fugiu para Alexandria, onde Otávio foi encontrá-la. Por proposta de Otávio, aceitou assassinar Antonio e convidou-o a com ela se encontrar em um mausoléu, para que pudessem morrer juntos. Marco Antonio suicidou-se na errônea suposição de que Cleópatra faria o mesmo, o que não aconteceu.
Otávio resistiu às seduções de Cleópatra, que então se matou fazendo-se picar por uma víbora, evitando assim o vexame de entrar em Roma como prisioneira de Otávio. Com ela findou a dinastia dos Ptolomeus e o Egito passou a ser província romana.
Cleópatra era considerada especialista na arte do amor. Teve seu primeiro amante aos 12 anos. Dizem que chegou a levar 100 homens para a cama em uma única noite.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Conhecendo substantivos coletivos de plantas

CONHECENDO SUBSTANTIVOS COLETIVOS DE PLANTAS
Geraldo Victorino de França ( Voinho)

1. Algodoal - algodoeiros
2. Arboreto - árvores cultivadas
3. Bananal - bananeiras
4. Cacho - uvas, bananas
5. Cafezal - cafeeiros
6. Eucaliptal - eucaliptos
7. Feixe - capins
8. Flora - plantas
9. Floresta - árvores
10. Folhagem - folhas
11. Gramado - gramas
12. Laranjal - laranjeiras
13. Penca - flores, frutas
14. Pomar - árvores frutíferas
15. Raizame - raízes
16. Ramagem - ramos
17. Ramalhete - flores
18. Renque - árvores enfileiradas
19. Réstia - alhos, cebolas
20. Trigal - plantas de trigo

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Conhecendo os Dragões

CONHECENDO OS DRAGÕES
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Os dragões são monstros fabulosos, presentes em várias mitologias, geralmente maléficos, concebidos como um grande lagarto ou serpente, alado,que lança fogo pela boca. A palavra dragão é originária do grego " drakón ", usado para definir grandes serpentes.
A variedade de dragões descritos em lendas e mitos é enorme, abrangendo criaturas bem diversificadas, podendo ser fontes sobrenaturais de sabedoria e força, como na China, ou simplesmente feras destruidoras, como na maioria das mitologias.
No Egito antigo, os dragões geralmente eram associados com serpentes e relacionados com a ideia do mal. Na Mesopotâmia também havia essa associação de dragões com o mal e o caos. Na Grécia e em Roma, embora fosse mais comum a idéia de dragão maléfico, por vezes tinham poderes benéficos. Na cultura cristã , o dragão tornou-se um símbolo do pecado e do paganismo. Os dragões dos mitos pagãos do Oriente tomaram novas formas nas lendas das vitórias de São Miguel e São Jorge sobre dragões. Aliás, o extermínio desses monstros é o feito maior de muitos heróis, como Perseu.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Conhecendo a lenda do Boitatá

CONHECENDO A LENDA DO BOITATÁ
Geraldo Victorino de França (Voinho)

O Boitatá é uma criatura do folclore brasileiro, uma versão do mito explicativo do fogo-fátuo, existente em quase todas as culturas.
Fogo-fátuo é uma chama rápida e fugaz que ocorre nos lugares onde se decompõe a matéria orgânica, como nos pântanos. É produzido pelas emanações de gases inflamáveis espontaneamente.
Na Alemanha é chamado " Irlicht "; na Inglaterra é o " jack night lantern " que, em forma de fantasma, guiava os viajantes pelos charcos; na França é o sinistro " moine des marais " ( monge dos banhados ); em Portugal são as " alminhas ", as almas dos meninos pagãos ou almas penadas pagando seus pecados.
No Brasil, recebeu a denominação de " boitatá " ( do tupi " boi " = cobra; e " tatá " = fogo ), ou seja, cobra de fogo ou assombração luminosa que vagueia pelos campos, protegendo-os contra aqueles que querem incendiá-los.
A lenda do boitatá ou fogo-fátuo recebe, no Nordeste Brasileiro, a denominação de " fogo-corredor ". O escritor Câmara Cascudo relata que os pescadores de caranguejos o viam frequentemente, bailando sobre a lama dos manguezais.

domingo, 7 de novembro de 2010

Você sabe o que é OVNI?

VOCÊ SABE O QUE É OVNI?
Geraldo Victorino de França (Voinho)

OVNI é a sigla usada para designar Objeto Voador Não Identificado. São fenômenos observados no campo aeroespacial terrestre para os quais não há uma explicação imediata. Milhares de observações desses fenômenos foram registradas em todo o mundo, nos últimos 50 anos.
Investigações cuidadosas realizadas por várias instituições científicas interpretaram satisfatoriamente cerca de 93% das observações como sendo aviões, balões meteorológicos de grande altitude, o planeta Venus, fenômenos devidos a inversões de temperatura, etc.
Especula-se que os 7% das observações restantes seriam espaçonaves de origem
extra-terrestres ( marcianos? ). Porém, não há evidências confiáveis de que isso tenha ocorrido.
A explicação mais provável é de que tenham sido causados por fenômenos naturais ainda não reconhecidos pelos atuais conhecimentos científicos.
Fonte: Nova Enciclopédia Ilustrada Folha, 1996.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Conhecendo a Lenda da Medusa

CONHECENDO A LENDA DA MEDUSA
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Medusa é personagem da mitologia grega, conhecida por três versões um tanto parecidas. Na primeira, o rei do mar, Forco, teve três filhas, as Górgonas, criaturas aladas com pele de cobra e corpo de dragão. Medusa era, das três, a única mortal, e quem a contemplasse se transformava em pedra. Perseu, no entanto, exterminou a Medusa e ofereceu a sua cabeça a Atenas ( ou Minerva ), que a usava como ornamento de seu escudo. Do corpo agonisante de Medusa nasceram o cavalo alado Pégaso e o gigante Crisaor.
Na segunda versão, Medusa era a única Górgona, criatura monstruosa e temível. Para outros, foi uma jovem formosa, atormentada por sua cabeleira, formada por convulsivas serpentes.
A primeira versão é a mais generalizada e a de maior frequência na literatura clássica. Conta-se também que a antiga beleza de Medusa, com seus longos e maravilhosos cabelos, desapareceu por ter ofendido Atenas, que transformou seus cabelos em serpentes e seus olhos que petrificavam qualquer pessoa que a fitasse. Medusa foi morta por Perseu, com a ajuda de Atenas e Hermes. Os antigos contam que Perseu , depois de cortar-lhe a cabeça, passou a levá-la consigo em suas expedições guerreiras, para transformar em pedra os seus inimigos.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Conhecendo a lenda de Apolo

CONHECENDO A LENDA DE APOLO
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Apolo é o deus mais belo e mais conhecido da mitologia grega, que conduzia o carro do Sol, adorado como rei da luz, quer fosse a do dia, quer a do entendimento. Era filho de Zeus e de Leto e irmão gêmeo de Ártemis.
Um dos primeiros serviços prestados por Apolo foi eliminar, com as setas forjadas por Vulcano, a enorme serpente Piton, que molestava as pessoas nas proximidades de Parnasso. É a vitória do bem sobre o mal, simbolizados em Apolo e na serpente.
Para comemorar sua vitória, instituiu os Jogos Píticos, nos quais os gregos competiam em corridas, lutas e outros torneios. Com a ajuda de sua irmã Ártemis, Apolo exterminou os filhos de Niobe, que se vangloriavam de serem superiores a Leto.
Por ter morto os Cíclopes, gigantes que tinham um só olho, Zeus castigou Apolo, expulsando-o temporariamente do Olimpo.
Lutou contra Hércules, embora não tenha havido vencedor, pois Zeus separou os combatentes com um raio. Predileto entre os deuses, teve de enfrentar a cólera de Zeus quando participou de uma conspiração junto a Hera e Poseidon, na tentativa de impedir Zeus de descer à Terra para cortejar as mulheres mortais. Apolo foi condenado a servir de pastor para Leomedonte durante um ano.
Era músico e tocava lira. A musa Calíope deu-lhe um filho, Orfeu, que de todos os músicos era o que tocava com mais doçura. Outro de seus filhos, Fáeton, conduziu uma vez o carro do Sol em lugar do pai, e o fez tão mal que secou partes da Terra e deixou outras regiões desoladas e frias.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Conhecendo Borboletas e Mariposas


CONHECENDO BORBOLETAS E MARIPOSAS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Borboleta e mariposa são os nomes vulgares dos insetos da ordem Lepidópteros, uma das maiores da classe dos Insetos. O termo borboleta se aplica aos
lepidópteros diurnos; e mariposa, aos noturnos.
As larvas das borboletas não tecem casulos, ao passo que as larvas das mariposas tecem casulos nos quais passam o período ninfal. O bicho-da-seda, por exemplo, é a larva de uma mariposa.
Como regra geral, as borboletas possuem o corpo mais alongado e fino, do que as mariposas. Outra diferença é que o desenho da asa é mais vistoso e colorido e, quando pousam, mantêm as asas juntas, na vertical. Por sua vez, ao pousarem, as mariposas deixam as asas abertas, na horizontal.
As borboletas e mariposas passam por metamorfose completa: do ovo nasce a larva, que posteriormente se transforma em pupa ou crisálida; e esta, por sua vez, dá origem ao inseto adulto.
Seu aparelho bucal é do tipo sugador, alimentando-se de líquidos, como o néctar das flores, areia úmida e frutos fermentados. As larvas do bicho-da-seda se alimentam de folhas de amoreira. Outras lagartas se alimentam de folhas de diversas plantas, inclusive palmeiras.
Existem cerca de 100.000 espécies de borboletas e mariposas. As larvas ou lagartas causam grandes prejuízos às lavouras. Para compensar, os adultos se tornam úteis por favorecerem a polinização das flores, além do bicho-da-seda que fornece a seda natural.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Conhecendo Fadas e Duendes

CONHECENDO FADAS E DUENDES
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Fadas e duendes são criaturas de diversas mitologias, considerados seres fantásticos, sobrenaturais, do sexo feminino e masculino, respectivamente. Fazem parte do acervo cultural de vários povos, para os quais sempre influíram, magicamente, nos acontecimentos humanos.
Sua presença foi, primitivamente, dada como ocorrente nos bosques, nas encruzilhadas, nas fontes e nas margens das florestas, demonstrando esse fato, a sua procedência pagã. Realmente, na mitologia greco-romana são encontrados seres correspondentes, como as náiades e os faunos, habitantes de fontes e mares.
Mais tarde, já na Idade Média e épocas posteriores, esses seres fantásticos aparecem mais ou menos cristianizados, daí ter mais destaque a sua ação benéfica ou maléfica, e a sua invocação para uma possível proteção.
Assim, as fadas e duendes adquirem nuanças de santos e anjos, representados com feições bondosas. As fadas têm poderes sobrenaturais, ajudadas por uma vara de condão. Acredita-se que, no nascimento de uma criança, elas entram na casa e dotam a criança com seu destino.
Na literatura mundial, encontram-se numerosas histórias sobre fadas. Quanto aos duendes, acredita-se que aparecem de noite e fazem travessuras nas casas. Algumas lendas dizem que tomam conta de um pote de ouro no final do arco-íris. Se forem capturados, os duendes podem comprar a sua liberdade com esse ouro.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget