"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Conhecendo Eufemismos e Disfemismos

CONHECENDO EUFEMISMOS E DISFEMISMOS
Geraldo Victorino de Framnça (Voinho)

Eufemismo é uma figura de retórica pela qual se suavizam expressões tristes ou desagradáveis, empregando outras mais suaves e delicadas. O oposto é disfemismo, isto é, uso de expressões grosseiras ou desagradáveis.
A. Exemplos de eufemismos


1. Contraiu o mal-de-lázaro ( lepra )
2. Crianças excepcionais ( retardadas )
3. Não era bom ( era mau )
4. Mulher de vida fácil ( prostituta )
5. Ele não é mais um jovem ( é velho )
6. Fulana não é bonita ( é feia )
7. Foi indelicado ( grosseiro )
8. Foi desta para melhor ( morreu )
9. Ele é pouco inteligente ( é burro )
10. A resposta não está certa ( está errada ).
B. Exemplos de disfemismos
1. Teve morte horrível.
2. Foi um acidente trágico
3. Ela é muito feia.
4. Ele está muito velho
5. Foi cruel com a sogra
6. Estava sujo como um porco
7. A resposta está errada
8. A sua camisa está suja
9. Foi grosseiro com o pedinte
10. Você é ignorante

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Conhecendo as metáforas

CONHECENDO METÁFORAS E COMPARAÇÕES
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Metáfora é uma figura de linguagem que consiste em usar uma palavra ou expressão num sentido diferente daquele que lhe é próprio, por analogia ou semelhança subentendida. Exemplos
1. A luz do espírito ( inteligência )
2. A flor da idade ( mocidade )
3. Primavera da vida ( juventude )
4. Nero foi um monstro ( cruel )
5. O espelho da alma ( rosto )
6. Essa cantora é um rouxinol (voz maviosa )
7. Inverno da vida ( velhice )
8.Labirinto ( emaranhado ) de dificuldades
9. Mar de rosas ( felicidade )
10. Rio de lágrimas ( tristeza ).
Não confundir metáfora com comparação. Nesta, os dois termos vêm expressos unidos por nexos comparativos - como, tal qual, que nem, etc. Exemplos:
1. Nero foi cruel como um monstro
2. Essa cantora canta como um rouxinol
3. Ele lutou como um leão
4. Era alta e magra tal qual uma palmeira
5.Ágil como um macaco.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Conhecendo alguns estrangeirismos

(www.acessa.com)

CONHECENDO ALGUNS ESTRANGEIRISMOS
Geraldo Victorino de França (Voinho)


Denomina-se estrangeirismo o emprego de palavras estrangeiras ainda não integradas no vocabulário nacional. Os estrangeirismos mais frequentes em português são o anglicismo ( inglês ) e o galicismo ( francês); mas também existem italianismo, castelhanismo, etc.
Vejamos alguns exemplos:

Anglicismos Galicismos
baby affaire
flash atelier
full time avant-première
hapy-end buffet
play-boy chauffer
play-ground croquis
rally grand-prix
shopping center menu
snob soutien
week-end toilette

Além dos estrangeirismos léxicos, como os citados acima, podem ocorrer estrangeirismos sintáticos como, por exemplo, o uso de um substantivo anteposto. Exemplo: Copacabana Hotel, em vez de Hotel Copacabana.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Armadilhas da Língua Portuguesa


ARMADILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA - 2
Geraldo Victorino de França (Voinho)


Além das palavras polissêmicas, outras armadilhas da língua portuguesa são as palavras homônimas, isto é, que têm a mesma pronúncia, porém significados diferentes. Exemplos:

1. acender ( atear ) e ascender ( subir )
2. aço ( liga de ferro ) e asso ( verbo assar )
3. apreçar ( marcar preço ) e apressar ( acelerar
4. caçar ( apanhar animais ) e cassar ( anular )
5. caminho ( trilha ) e caminho ( verbo caminhar )
6. cegar ( tornar cego) e segar ( ceifar )
7. cela ( pequeno quarto ) e sela ( arreio )
8. censo ( recenseamento ) e senso ( juízo )
9. cerrar ( fechar ) e serrar ( cortar )
10. cessão ( ato de ceder ) e sessão ( repartição )
11. cinto ( faixa de cintura ) e sinto ( verbo sentir )
12. concerto ( harmonia musical ) e conserto
( ato de consertar )
13. coser ( costurar ) e cozer ( cozinhar )
14. era ( época ) e hera ( trepadeira )
15. paço ( palácio ) e passo ( andar )
16. para ( preposição ) e para ( verbo parar )
17. pomos ( frutos ) e pomos ( verbo por )
18. vede ( verbo ver ) e vede ( verbo vedar )

domingo, 23 de janeiro de 2011

Voinho e Maria Valentina

A mais nova netinha do Voinho, Maria Valentina

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Conhecendo as unidades de medida


CONHECENDO AS UNIDADES DE MEDIDA
Geraldo Victorino de França
Unidade Valor

Acre........................ 4,046 metros quadrados
Alqueire mineiro......48.400 metros quadrados
Alqueire paulista...... 24.200 metros quadrados
Are.......................... 100 metros quadrados
Galão...................... 3,785 litros
Hectare................... 10.000 metros quadrados
Hectare................... 2,5 acres
Jarda...................... 91,44 centímetros
Libra....................... 453,592 gramas
Libra....................... 0, 4536 quilogramas
Litro........................ 1 decímetro cúbico
Metro...................... 100 centímetros
Metro cúbico........... 1.000 litros
Milha....................... 1,609 quilômetros
Milha/hora............... 0,447 metros/segundo
Onça......................28,349 gramas
Pé..........................30,48 centímetros
Polegada............... 2,54 centímetros
Quilograma.............1.000 gramas
Quilômetro............. 1.000 metros
Quilômetro quadrado....................... 100 hectares
Tonelada................ 1.000 quilogramas

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Conhecendo a origem dos nomes dos planetas

CONHECENDO A ORIGEM DOS NOMES DOS PLANETAS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Se dependesse da etimologia da palavra planeta, a Terra e os outros planetas estariam fora de órbita. O termo vem do latim " planetae " que, por sua vez, provém do grego " planes ", que significa errante ou que se desvia do caminho.
O nome Terra vem do latim " terra " , que significa o globo terrestre , mundo.
Os nomes dos outros planetas têm origem nos nomes de deuses da mitologia greco-romana, como segue:
Mercúrio - deus romano dos viajantes.
Venus - deusa romana do amor e da beleza.
Marte - deus romano da guerra.
Júpiter - pai de todos os deuses romanos.
Saturno - deus grego da fartura.
Urano - rei dos céus, na mitologia grega.
Netuno - deus romano dos mares.
Plutão - deus romano do inferno. Recentemente, Plutão foi rebaixado para a categoria de asteróide.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Mais uma netinha para o Voinho!

Nasceu hoje, 14 de janeiro, Maria Valentina, mais uma netinha para o Voinho que agora tem 8 netos, 4 netas e 3 bisnetas.
Parabéns VOINHO! Muito fofa!

Com a mamãe Karla
Com o papai Geraldo Júnior
Com a titia Ivana e o Voinho
Maria Valentina com a prima Ana Camilla
Maria Valentina com a tia Graziela e prima Grazielinha

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Conhecendo as camuflagens

CONHECENDO AS CAMUFLAGENS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Camuflagem é a maneira pela qual muitos animais usam sua forma e coloração para se esconder de seus predadores, ou para evitar que as presas fujam. Assim, as listras das zebras e as manchas das girafas tornam esses animais pouco visíveis nas savanas, onde habitualmente vivem, especialmente ao anoitecer, quando o ataque dos predadores é mais provável.
Por outro lado, a pelagem manchada do leopardo o dissimula muito bem nas regiões arborizadas onde caçam, permitindo-lhe aproximar-se sorrateiramente de suas presas.
O desenho malhado das asas de muitas mariposas torna esses insetos difíceis de serem vistos pelas aves.
Muitos peixes têm a parte superior do corpo mais escura e a inferior clara, para contrabalançar o efeito da luz que vem de cima.
Alguns animais, como o camaleão, desenvolveram um mecanismo que lhes permite mudar de cor para confundir-se com o ambiente.
A camuflagem também pode ser feita a partir de uma semelhança com objetos do ambiente. Assim, o bicho-pau pode assemelhar-se a um galho seco; e algumas borboletas possuem listras que se parecem com as nervuras das folhas em que pousam.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Conhecendo as estações do ano

CONHECENDO AS ESTAÇÕES DO ANO
Geraldo Victorino de França (Voinho)

As estações são os períodos climáticos de aproximadamente três meses em que se divide o ano. São causados pelo movimento da Terra e sua atmosfera ao redor do Sol e pelas mudanças decorrentes da inclinação do seu eixo para perto ou para longe dele, durante sua órbita anual.
Em qualquer período do ano, as condições que ocorrem no hemisfério sul , em termos de luminosidade e temperatura, são geralmente opostas às que ocorrem no hemisfério norte. Assim, quando no hemisfério sul é verão, no hemisfério norte é inverno.
As regiões polares têm apenas duas estações: um longo inverno e um verão curto. Nas latitudes médias há quatro estações: primavera,verão, outono e inverno. Em baixas latitudes ocorrem dois conjuntos de estações: primeiramente, um inverno curto e frio seguido de um verão longo e quente; e, em segundo lugar, uma estação chuvosa e uma estação seca.
No hemisfério sul, em latitudes médias, as estações e os meses correspondentes são os seguintes: a) primavera - setembro, outubro e novembro; b) verão - dezembro, janeiro, fevereiro; c) outono - março, abril, maio; d) inverno - junho, julho, agosto.
As estações do ano estão tradicionalmente associadas ao ciclo anual das plantas,
especialmente as cultivadas. Assim, a primavera é a estação do plantio e germinação; o verão é o período de crescimento e maturidade; o outono é a época da colheita; e o inverno é a estação da letargia ou vida latente.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget