"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

quarta-feira, 29 de junho de 2011

CONHECENDO OS TIPOS DE RAIZ

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Dá-se o nome de raiz à parte subterrânea do eixo das plantas vasculares (portadoras de vasos ), que desempenha duas funções principais: a) fixação da planta ao solo; b) absorção de água e nutrientes minerais contidos no solo.
Normalmente a raiz é um órgão subterrâneo; todavia, existem vários exemplos de raízes aéreas como veremos mais adiante.
Basicamente, existem três tipos de raízes subterrâneas: a) pivotante, como a da cenoura; b) ramificada, como a da laranjeira; c) fasciculada ou em cabeleira, como a das gramíneas
Além desses tipos, existem variações tais como: a) raiz tuberosa, contendo reserva amilácea, como a da mandioca; b) raízes adventícias, como as que crescem na base dos colmos de milho; c) raízes sugadoras ou haustórios, próprias das plantas parasitas, que penetram nos tecidos das plantas hospedeiras para retirar alimento, como as do cipó-chumbo; d) raízes respiratórias ou pneumatóforos, que se elevam sobre o nível das águas para respirar, como as dos mangues; e) raízes coletoras,que retêm folhas secas, poeiras e água de chuva, como as das plantas epífitas (orquídeas e bromélias ).
Há ainda os rizóides, órgãos rudimentares que desempenham a função das raízes, encontrados nas plantas inferiores, como algas, líquens, briófitas, etc.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL – 13

Geraldo Victorino de França (Voinho)

a) O elefante é o maior animal terrestre da atualidade. O que há de mais característico nesse animal são a tromba e as presas. A tromba, que chega ao solo, é um prolongamento do nariz e do lábio superior. Serve não só de nariz, como também de mão, apanhando água e alimentos que leva à boca. As presas são os incisivos superiores que crescem indefinidamente, embora o crescimento seja em parte contrabalançado pelo desgaste.
b) A girafa é o bicho mais alto do mundo; combinando pernas e pescoço compridos, chega a medir 6 metros de altura, o que lhe permite comer as folhas das árvores.
c) O tamanduá-bandeira é um animal insetívoro, que come principalmente formigas e cupins. Para isso, dispõe de uma língua comprida e pegajosa, com cerca de 40 centímetros, que introduz nos formigueiros e nos cupinzeiros.
d) A morsa é um grande mamífero marinho, que chega a medir 7 metros de comprimento e pesar mais de 1 tonelada. Os caninos superiores dos machos são transformados em enormes presas que se projetam para fora e para baixo, as quais chegam a medir cerca de 1 metro de comprimento.
e) O panda-gigante é um mamífero de grande porte, que vive nas montanhas do sudoeste da China e do leste do Tibete. Tem as características de um carnívoro, mas é um animal herbívoro especializado, que se alimenta quase que exclusivamente de folhas de bambu.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

CONHECENDO A LENDA DAS SEREIAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

As Sereias são entidades da mitologia grega. Eram descritas como seres metade mulher e metade peixe, empunhando uma lira e possuidoras de belas vozes capazes de encantar os navegadores e fazer com que perdessem o controle dos barcos e encalhassem nas rochas.
Diz a lenda que as sereias habitavam rochedos escarpados, entre a ilha de Capri e o litoral da Itália, separados por uma passagem estreita. Terminada a Guerra de Tróia, Ulisses, ao regressar a Itaca, sua terra natal, foi obrigado a usar essa passagem sinistra. Ordenou então aos seus marinheiros que tapassem os ouvidos com cera, para não escutarem o belo e fatal canto, e fez-se amarrar ao mastro da embarcação, para assim escapar ao encantamento das sereias.
No Brasil, a lenda das sereias foi adaptada ao folclore nacional na forma da Iara, que vive nas águas doces do rio Amazonas. Penteia seus longos cabelos com um pente de ouro e o seu canto tem o poder de enfeitiçar os homens , que entram no rio e acabam se afogando.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

CONHECENDO ALGUNS ANAGRAMAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Anagrama é quando se embaralham as letras de uma palavra e com elas se forma outra palavra. Vejamos alguns exemplos:

1. Alice ................. Célia
2. América............. Iracema
3. bolo .................. lobo
4. Caterina ........... Natércia
5. claro ................ coral
6. Isabel .............. Belisa
7. late .................. tela
8. lavar ............... larva
9. Marcela .......... Carmela
10. matar .............. trama
11.nado ............... onda ............. dona
12. namoro .......... romano
13. ostra ............. astro
14. padre ............ pedra
15. Pedro ........... poder ............ podre
16. perito ........... repito
17. Roma ........... amor .............. ramo
18. senador ....... desonra
19. Soares Guiamar ... pseudônimo de Guimarães Rosa
20. valente ......... levante

terça-feira, 21 de junho de 2011

CONHECENDO OS MAMÍFEROS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Mamíferos é o nome que se dá a uma classe de animais vertebrados cujas fêmeas possuem glândulas mamárias e alimentam seus filhotes com leite. Possuem respiração pulmonar e sangue quente; na maioria, são quadrúpedes, terrestres, com o corpo coberto de pelos. Todavia, o homem e o canguru são bípedes, ao passo que os cetáceos ( baleia, boto, etc. ) são aquáticos, desprovidos de pelos, possuindo nadadeiras em vez de patas.
Há três subclasses de mamíferos: a) monotremos, que são ovíparos ( põem ovos ), exemplificados pelo ornitorrinco; b) marsupiais, portadores de bolsa ventral, onde abrigam seus filhotes, como o canguru e o coala; c) placentários, que são vivíparos, isto é, que dão à luz filhotes já desenvolvidos. Estes últimos constituem a maioria dos mamíferos.
Conhecem-se cerca de 4.250 espécies de mamíferos, que se distribuem na terra, na água e no ar. Aliás, o morcego é o único mamífero que realmente voa; outros se adaptaram para saltar ou planar, como o esquilo-voador.
Muitos mamíferos, como o tatu e a toupeira, são capazes de cavar a terra, construindo tocas e galerias; e outros são arborícolas ( vivem nas árvores ), como os macacos e a preguiça. Muitos possuem garras e são carnívoros, como os felinos - gato, onça. tigre, etc. Outros são herbívoros e ungulados ( patas com cascos ), como boi, cavalo, elefante, etc.
Quanto ao tamanho, é muito variável, desde o minúsculo musaranho com poucos centímetros, até a baleia-azul, que chega a atingir 33 metros de comprimento e pesar 120 toneladas.
Vários mamíferos são animais domésticos, que fornecem ao homem diversos produtos, como carne, leite, banha, lã e peles, bem como trabalho.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

CONHECENDO AS AVES MARINHAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Das aves adaptadas à vida na água, uma parte é constituída por aves que frequentam água doce ( rios e lagos ), chamadas " aves ribeirinhas ", como por exemplo: pato, ganso, cisne, garça, grou, etc. Outra parte se adaptou à água salgada ( mares e oceanos ), chamadas aves marinhas.
Em primeiro lugar, devem ser citados os pinguins, aves peculiares que não voam porque suas asas foram transformadas em nadadeiras, para a locomoção aquática. Vivem em colônias, na Antártida, e buscam alimento no mar. Outras aves marinhas vivem na região costeira e procuram alimento ( peixes, moluscos, etc. ) no mar, tais como: alcatraz, gaivota, albatroz, pelicano, mergulhão, etc.
Com exceção do pinguim, que faz ninho no gelo, todas as aves marinhas procriam em terra. A maioria delas bota apenas um ou dois ovos; quando botam dois, geralmente um não é fecundado. A incubação e os cuidados com os filhotes geralmente leva mais tempo para as aves marinhas do que para as aves terrestres.
Cumpre lembrar que, na costa do Peru, vive grande número de aves marinhas, devido à corrente de Humboldt, que vem do sul e é rica em peixes. Essas aves pescam peixe no mar e seus excrementos vão se acumulando em terra, formando o guano - um fertilizante orgânico que constitui um importante recurso natural daquele país.

domingo, 19 de junho de 2011

CONHECENDO AS MARÉS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Dá-se o nome de maré ao movimento regular e periódico das águas dos mares e grandes lagos, que se caracteriza pela elevação e posterior abaixamento do seu nível em relação a uma referência fixa em terra. Esse movimento ocorre em função da atração gravitacional da Lua e também do Sol ( mas em grau menor, devido à maior distância ). Essa atração faz com que as águas avancem ligeiramente sobre a parte da Terra que se encontra mais próxima daqueles astros e também sobre a parte diametralmente oposta. A rotação diária e contínua da Terra faz com que essas concentrações de massas de água pareçam subidas e descidas do nível do mar. A atração é mais forte quando Terra, Lua e Sol estão alinhados; quando formam ângulo reto, a atração gravitacional é mais fraca.
Chama-se fluxo da maré a elevação da água até atingir o nível mais alto, a chamada maré alta ou preamar. Logo, porém, que o ponto de máxima atração se desloca, as águas baixam de nível até atingir o nível mais baixo, a chamada maré baixa ou baixamaré.
O movimento horizontal das águas correspondentes é uma corrente, um fluxo de maré, geralmente semidiurno ( duas enchentes e duas vazantes em pouco mais de um dia).
A maré oscila em torno do nível médio das águas, sendo que a diferença entre o ponto mais alto e o ponto mais baixo constitui a amplitude da maré, que varia de um local para outro. Na baía de Fundy, entre New Brunswick e a Nova Escócia, essa amplitude pode ultrapassar 14 metros. No canal da Mancha ela pode chegar a 10 metros; e em lugares mais distantes, como na costa do Alaska e no noroeste da Austrália, diferenças de 6 metros são comuns. Por outro lado, no mar Báltico, no mar Mediterrâneo e no mar das Antilhas, quase não há marés.
Não confundir maré com ondas, que são provocadas pela ação dos ventos sobre a superfície da água. Neste caso, a altura das ondas depende da velocidade do vento. Quando o vento é muito forte, as ondas sucessivas podem se sobrepor e formar superondas, que podem atingir alturas relativamente grandes.

PALAVRAS CUJO USO DIFERE NA ESPANHA E NA AMÉRICA LATINA

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Espanha  América  Latina Português
1. Avieso.......... chueco ............... torto
2. billete .......... boleto ............... bilhete
3. calzon ......... pantalón .............. calça comprida
4. calcetin ....... media .................. meia
5. caucho ....... seringa ................ borracha
6. empezar ..... comenzar ............ começar
7. enfadarse ... enojarse ............. aborrecer-se
8. gambo ........ camaron ............. camarão
9. gasosa ....... refresco ............. refrigerante
10. gris ............ plomo ................ cinza
11. lumbre ....... candeia ............. luminária
12. molestar ... fregar ................ aborrecer
13. patata ....... papa .................. batata
14. pelo .......... cabello ............... cabelo
15. perezoso... flojo .................... preguiçoso
16. pista ......... cancha ............... quadra
17. sello ......... estampilha .......... selo
18. tapa ......... bocadito ............. salgadinho
19. tirar .......... botar .................. jogar fora
20. vosotros ...ustedes .............. vocês

sábado, 18 de junho de 2011

Comportamento Animal

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Comportamento é a maneira pela qual um indivíduo reage em resposta ao seu ambiente e aos membros da sua própria espécie e de outras espécies. O comportamento de um animal, assim como sua fisiologia ou morfologia, pode estar sujeito à influência da seleção natural e pode ser importante para a sua sobrevivência.
O comportamento pode ser: a) herdado; b) adquirido ou aprendido. Até mesmo organismos mais simples mostram padrões de comportamento herdados de seus progenitores, os quais são instintivos.
As atitudes e reações dos animais visam basicamente: a) facilitar a alimentação, como competição, predação, parasitismo, etc.; b) assegurar a sobrevivência, usando mimetismo, escondendo-se na toca, subindo em árvores, hibernando, etc.
As ações de muitos organismos são modificadas pela experiência, permitindo que o animal se adapte a um ambiente complexo e em mudança. Os filhotes de felinos, por exemplo, aprendem a caçar observando e copiando seus pais; enquanto muitos pássaros que comem insetos evitam comer aqueles não apetitosos, através de tentativa e erro.
Quando as condições climáticas do seu ambiente se tornam desfavoráveis, muitos animais fazem migrações ( como o caribu e o gnu ) ou hibernam ( como o ouriço e o urso ).
A ciência que estuda o comportamento animal chama-se Etologia.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

CONHECENDO A LENDA DE OSÍRIS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

Osiris é um dos deuses do politeísmo egípcio, protetor dos mortos, a cujo culto estava intimamente ligado. Em torno de sua figura formou-se uma lenda de grande repercussão , não só no Egito antigo, como também fora dele. Conta a tradição que Osiris foi originalmente rei do Egito, mas foi traído por seu irmão Set.
Osiris, cujo mito se identifica com o do Sol, casou-se com sua irmã Isis, cuja lenda se prende à Lua. O prestígio de Osiris despertou a inveja de seu irmão Set, encarnação do espírito do Mal. Set urgiu uma trama contra Osiris pela qual, durante um banquete, conseguiu aprisioná-lo numa urna, ordenando que a jogassem no rio Nilo. A urna, arrastada até o mar, chegou às costas da Fenícia. Isis, desesperada, procurou por toda parte o corpo do esposo e, encontrando-o, trouxe-o de volta e o depositou no delta do Nilo. Set, sabedor de que a cunhada havia encontrado o corpo do irmão, dele se apossou e esquartejou-o em quatorze pedaços, que espalhou por várias partes. Porém, Isis não desistiu de procurá-los, acabando por reunir todos os pedaços. Com a ajuda de sua irmã Neftis, de seu filho Horus,de sua sobrinha Anubis e do deus Tot, restaurou o corpo do marido, embalsamando-o. Tot, por processos mágicos, fez Osiris voltar à vida e à imortalidade.
Set foi combatido por Horus em longa e terrível guerra. Os deuses, intervindo, obrigaram Set a restituir a herança e o trono a Horus que, desde então, tornou-se o rei dos dois Egitos, o do norte e o do sul. Foi o antecessor dos faraós, lenda esta que explica o título Horus Vivo, usado pelos supremos mandatários egípcios.

terça-feira, 14 de junho de 2011

CONHECENDO AS AVES


desenho a lápis de Geraldo Victorino de França Junior
http://birdsofbrazil.blogspot.com/
 
 Geraldo Victorino de França (Voinho)

Aves são animais vertebrados, ovíparos ( que põem ovos ), com o corpo revestido de penas, respiração pulmonar e sangue quente. Possuem bico córneo e dois pares de membros, os anteriores transformados em asas para voar e os posteriores adaptados para caminhar, empoleirar ou nadar.
Conhecem-se cerca de 9.000 espécies de aves, distribuídas em 27 ordens. Em geral são adaptadas para o voo, mas algumas espécies, como avestruz, ema e pinguim, perderam a capacidade de voar e adaptaram-se à vida terrestre ou aquática.
A condição básica para o vôo é que o corpo seja leve. Assim, o corpo das aves tem bolsas de ar e os ossos longos do seu esqueleto contêm, em vez de tutano, ar. O peso das aves varia desde 2 gramas numa espécie de colibri, até 100-120 kg no avestruz.
Dentre as aves que não voam, além do pinguim, destacam-se as aves corredoras, como avestruz, ema e casuar. Outro grupo é constituído por perdiz, nhambu, macuco, etc.
Certas aves adaptaram-se à vida aquática, apresentando os dedos das patas unidos por uma membrana natatória ( palmípedes ), como gaivota, pelicano, garça, etc.
Outras aves possuem patas com garras curvas e bico curvado e agudo, como as avesde rapina - gavião, águia, falcão, coruja, etc.
O homem tem utilizado certas aves para a produção de carne e ovos ( galinha, pato, ganso, etc.), bem como pássaros de gaiola, por seu canto ( canário, sabiá, rouxinol, etc. ).

sábado, 11 de junho de 2011

CONHECENDO OS PAÍSES COM MAIS FLORESTAS


http://www.newscomex.com.br/
Geraldo Victorino de França (Voinho)
Os países com maior área ocupada por florestas são:

País Área em milhares de Km2

1. Rússia ..................... 8.510
2. Brasil ........................ 5.400
3. Canadá .................... 2.450
4. Estados Unidos ......... 2.260
5. China ....................... 1.630
6. Austrália .................. 1.540
7. Congo ..................... 1.350
8; Indonésia ................ 1.040
9. Angola ..................... 690
10. Peru ........................ 650

Fonte: Os 10 mais, 2.008

sábado, 4 de junho de 2011

Aprendendo com o Voinho - volume 3

Agora já são três livros da enciclopédia do Voinho. O quarto volume já está em andamento!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Já está pronto o terceiro volume da série - APRENDENDO COM O VOINHO

 
Aprendendo com o Voinho- volume 3
O terceiro livro da série APRENDENDO COM O VOINHO já está pronto.
Com prefácio da presidente da Academia Piracicabana de Letras, Maria Helena Corazza, e ilustrações dos filhos, netos e bisnetas.
E a enciclopédia não pára por aí. Logo será editado o volume quatro.
Parabéns, Voinho! Cultura nunca é demais!
Aprendendo com o Voinho - volume 1
Aprendendo com o Voinho - volume 2

quarta-feira, 1 de junho de 2011

CONHECENDO O REFLORESTAMENTO

Geraldo Victorino de França (Voinho)

A rigor, reflorestamento significa a formação de florestas em áreas que, anteriormente, já foram ocupadas com florestas; e florestamento, a formação de florestas em áreas que nunca tiveram esse tipo de cobertura vegetal. Na prática, porém, ambos os termos se confundem, sendo aplicados à formação de florestas artificiais ou plantadas pelo homem. As mudas são formadas em viveiros e depois transplantadas para o local definitivo.
O reflorestamento pode ser feito com duas finalidades: a) econômica ou comercial; b) ecológica ou de proteção.
As florestas econômicas são plantadas para fins comerciais - produção de madeira, lenha, carvão, celulose, óleos essenciais, etc. Geralmente são puras, isto é, constituída por uma única espécie florestal, normalmente exótica (eucalipto ou pinus ); enquanto as florestas ecológicas ou de proteção são mistas, ou seja, formadas por duas ou mais espécies, geralmente nativas.
Sob o ponto de vista da conservação do solo, o reflorestamento é uma prática conservacionista de caráter vegetativo, isto é, que utiliza a vegetação para proteger o solo. Convém lembrar que a eficiência da floresta no controle da erosão se deve ao fato de que ela possui três linhas de defesa: a) as copas, que interceptam as gotas de chuva, reduzindo a sua energia cinética e, assim, impedindo a desagregação do solo; b) a serapilheira, formada por folhas, ramos, flores,etc. depositadas na superfície do so-
lo, que também amortecem a queda das gotas d'água, além de dificultar o escoamento superficial e favorecer a infiltração da água no solo; c) o emaranhado de raízes, que travam o solo impedindo o seu arrastamento.
As florestas econômicas devem ser plantadas em solos de fertilidade muito baixa, em áreas pedregosas, erodidas ou declivosas muito susceptíveis à erosão, ou seja, em terras impróprias para culturas.
As florestas ecológicas devem ser plantadas nas cabeceiras dos mananciais e nas margens de rios e lagos, formando as chamadas matas ciliares. Devem ser empregadas de preferência espécies nativas, inclusive árvores que produzem frutos comestíveis, como ingazeiro, pitangueira, amoreira, etc. - para alimentação dos pássaros e peixes.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget