"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

domingo, 31 de julho de 2011

CONHECENDO OS CARNÍVOROS


Geraldo Victorino de França ( Voinho)

O termo carnívoro é usado com dois significados: a) todo animal que se alimenta de carne; b) uma ordem de mamíferos terrestres portadores de unhas em forma de garras e dentes especializados para dilacerar e mastigar a carne dos animais que caçam. Geralmente comem herbívoros, ou outros carnívoros.
Embora sejam predominantemente predadores, alguns também se alimentam de plantas; e apenas um membro dessa ordem é herbívoro - o panda-gigante. Podem ser terrestres ou aquáticos.
Os carnívoros terrestres dividem-se em duas grandes superfamílias - canídeos e felídeos, centrados no cão e no gato, respectivamente.
Os canídeos incluem: cães, lobos, ursos, raposas, etc. Os felídeos abrangem: gatos, hienas, leões, tigres, leopardos, onça, jaguatirica, lince, etc.
As focas, leões-marinhos e morsas costumavam ser incluídos entre os carnívoros, mas atualmente são classificados numa outra ordem - Pinípedes. São piscívoros ( comem peixe ).
Os ursos são carnívoros, mas praticamente comportam-se como onívoros ( que comem tanto alimentos animais como vegetais ). Alguns carnívoros também comem insetos e frutos.
De acordo com o conceito mais amplo, são carnívoros os cetáceos - baleia, boto, cachalote, etc. e também as aves de rapina - falcão, gavião, águia, coruja, etc.

sábado, 30 de julho de 2011

CONHECENDO AS PLANTAS SUCULENTAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Denominam-se plantas suculentas aquelas que armazenam água em certos órgãos, que se apresentam espessos e carnosos, com muito suco. O exemplo clássico são os cáctos, adaptados à vida em ambiente seco e, por isso, contêm muita água armazenada em seus caules.
Não só em caules, mas também em raízes e folhas, podem ser feitas as reservas de água. Por exemplo, a beldroega, uma planta herbácea, tem folhas suculentas, consumidas como verdura; o umbuzeiro, uma árvore da caatinga do Nordeste, forma em suas raízes grandes tubérculos que armazenam muita água, que permite à planta sobreviver em períodos de seca prolongada.
Assim, as plantas suculentas encontram-se, de preferência, nos lugares onde costuma haver falta de água no solo, como nos desertos. No Brasil não existem desertos, mas há a caatinga do Nordeste, com estação seca prolongada, onde ocorrem numerosas cactáceas, que podem ser pequenas como a coroa-de-frade, ou grandes, como o facheiro, o xique-xique e o mandacaru.
Não só as cactáceas são suculentas. Por exemplo, na caatinga do Nordeste encontra-se uma planta aparentada com a paineira - a barriguda, assim chamada porque seu caule armazena água e fica intumescido, dando a impressão que a planta é barriguda. Aliás, a própria paineira chega, por vezes, a apresentar o mesmo fenômeno

terça-feira, 26 de julho de 2011

CONHECENDO OS MARSUPIAIS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

A palavra marsupial é de origem grega e significa " que tem bolsa ". É empregada para designar os mamíferos da ordem Marsupial, que se caracterizam por terem as fêmeas uma bolsa abdominal onde guardam os filhotes recém-nascidos, que aí recebem amamentação e completam o seu desenvolvimento.
Os marsupiais se diferenciam de outros mamíferos também pelo seu processo reprodutivo, já que os filhotes não são alimentados no útero pela placenta, mas nascem prematuramente. Grande parte do seu crescimento acontece dentro da bolsa, que é uma dobra da pele localizada na frente do corpo, encobrindo as tetas.
A maior parte dos marsupiais vive na Austrália, como o canguru e o coala. Na América do Sul e Central encontram-se o gambá e a cuíca-d'água
Os cangurus se locomovem como bípedes, andando e pulando no solo com as patas traseiras, bem maiores que as dianteiras. Os coalas são arborícolas, assim como os gambás. Já a cuíca-d'água é anfíbia, tal como a lontra.
Sua alimentação é variada: o coala come folhas de eucalipto; o lobo-da-Tasmânia é carnívoro. Algumas espécies de pequeno porte são insetívoros; e outras, comem tudo o que encontram, como o gambá.

domingo, 24 de julho de 2011

CONHECENDO OS FÓSSEIS

Geraldo Victorino de França (Voinho)


Dá-se o nome de fósseis aos restos ou vestígios de plantas e animais antigos, preservados no gelo ou em rochas sedimentares. Há quatro tipos principais de fósseis: a) restos originais; b) restos substituídos; c) moldes; d) impressões.
Restos originais. Em casos raros, os fósseis são os restos verdadeiros de animais e plantas. Nas regiões de gelo eterno da Sibéria, por exemplo, foram encontrados corpos inteiros de mamutes ( ancestrais dos elefantes ), em bom estado de conservação, que viveram numa época primitiva chamada Pleistoceno. Outros exemplos são os ossos e dentes de dinossauros e outros animais de épocas passadas.
Restos substituídos. Muitos fósseis não contêm os materiais originais que os formavam, embora pareçam intatos. É que os restos originais foram substituídos, no decorrer dos séculos, por minerais duros, como por exemplo a sílica e o ferro. Um bom exemplo são as árvores petrificadas do Arizona ( Estados Unidos ): a madeira em decomposição foi aos poucos substituídas por sílica.
Moldes. Outras vezes, conchas de moluscos e ossos de vertebrados dissolveram-se completamente no interior da rocha que os conservou, deixando um molde que mostra apenas a forma do organismo desaparecido.
Impressões. São as pegadas que os animais deixam na areia ou na lama, que foram conservados quando o sedimento se transformou em rocha. Em depósitos de xistos, por exemplo, foram encontradas pegadas de dinossauros e outros animais pré históricos
Importância. Os fósseis prestam-se ao estudo da vida no passado e também para a datação e correlação das camadas que os contêm.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Aprendendo com o Voinho no Caderno de Cultura do Jornal de Piracicaba

(clique para ampliar)

Voinho foi entrevistado por Ronaldo Victória

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Voinho na Tribuna Piracicabana, na GAZETA e no Jornal de Piracicaba

TRIBUNA PIRACICABANA

GAZETA DE PIRACICABA

JORNAL DE PIRACICABA
(clique p/ ampliar)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

CONHECENDO AS BACTÉRIAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

As bactérias são vegetais primitivos ( Talófitas ), unicelulares e microscópicas, pertencentes à classe Esquizomicetos, figurando entre os menores seres vivos conhecidos. Suas dimensões variam de 0,5 a 15 micros ( 1 micro = milésima parte do milímetro ).
São encontradas por toda parte, livres ou de vida fixa, inclusive na neve e no intestino. A estrutura das bactérias é simples: uma célula constituída de protoplasma com membrana e núcleo difuso. A sua forma pode ser: a) esférica ( cocos ); b) bastonete ( bacilos ); c) espiralada ( espirilos ); d) filamentosa ( colônias ), etc.
As bactérias desempenham papel ecológico importante, atuando em vários fenômenos, tais como: a) decomposição da matéria orgânica; b) fixação biológica do nitrogênio do ar atmosférico; c) liberação do nitrogênio para a nutrição das plantas; d) transformações do fósforo, do enxofre, do ferro e de outros compostos inorgânicos; e) intervém na digestão intestinal de vários animais superiores, principalmente dos ruminantes. Também desempenham papel importante na preparação de muitos produtos derivados do leite, bem como em processos industriais que envolvem fermentações
Grande parte das bactérias necessita de oxigênio, chamadas bactérias aeróbias; outra parte se adapta à ausência de oxigênio, sendo denominadas anaeróbias.
Muitas bactérias são patogênicas, isto é, causam doenças tanto no homem e nos animais, como nas plantas. Dentre as doenças que causam no homem podem ser citadas: tétano, tifo, difteria, etc.

sábado, 9 de julho de 2011

CONHECENDO O PLANETA VÊNUS

Vênus
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Venus é o segundo planeta a partir do Sol, do qual dista 106 milhões de quilômetros. Seu nome é uma homenagem à deusa do amor e da beleza, na mitologia romana. Depois do Sol e da Lua, é o astro que se apresenta com brilho mais intenso, sendo também chamado Vésper - a estrela vespertina, ou Estrela d'Alva - a estrela matutina.
Venus descreve uma trajetória quase circular, levando 225 dias para completar uma órbita. Quase do tamanho da Terra, seu diâmetro vale 0,966 ; sua massa, o,818; a densidade média, o,91 e a gravidade, 0,88 ( dados comparativos com os da Terra ).
Possui uma atmosfera formada por densas nuvens, sujeita a fortes ventos. Na sua composição predominam gás carbônico e oxigênio. Sua pressão superficial é 91 vezes a da Terra e a temperatura superficial mantém-se em torno de 475 graus centígrados devido ao efeito estufa.
As sondas Venera 9 e 10, da antiga União Soviética, forneceram as primeiras imagens da superfície de Venus em 1.975. As duas sondas pousaram suavemente e enviaram imagens mostrando paisagens desérticas e pedregosas. Estudos recentes com radar sugerem que essa paisagem é típica de todo o planeta e que a sua superfície é marcada por inúmeras crateras e cadeias de montanhas.
Venus não possui satélites naturais.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

CONHECENDO AS COBRAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Cobras ou serpentes é a designação geral dada aos animais pertencentes à ordem Ofídios, da classe Répteis, representados por cerca de 2.500 espécies, vivendo na terra, na água e nas árvores.
Possuem corpo alongado, coberto de escamas, desprovidos de pata, locomovendo-se por reptação, isto é, arrastando-se no chão. A boca é facilmente dilatável, permitindo engolir presas maiores do que o seu tamanho. Seus dentes, virados para trás, não servem para mastigar, mas sim para prender as vítimas, que são engolidas inteiras.
As cobras mudam de pele frequentemente. Algumas põem ovos ( ovíparas ); outras chocam os ovos dentro do seu oviduto ( ovovivíparas ), podendo as cobrinhas nascerem antes da postura dos ovos ou depois da mesma, no exterior. As crias, desde o momento que nascem são capazes de cuidar de si mesmas.
As cobras alimentam-se de pequenos mamíferos ( principalmente roedores ), aves, lagartos, rã e peixes. A maioria das cobras pode passar vários dias sem se alimentar, porque a digestão é lenta.
Podem ser venenosas ou não-venenosas. As venenosas picam suas vítimas para matá-las ou paralisá-las, antes de engoli-las, como a cascavel. As não venenosas geralmente matam suas vítimas por constrição ( aperto ), como a sucuri.
Entre as cobras venenosas estão: cascavel, jararaca, coral-venenosa, naja, etc. Entre asa cobras não-venenosas incluem-se: jibóia, sucuri, coral não-venenosa, piton, etc.
A muçurana é uma cobra que se alimenta de outras cobras.

sábado, 2 de julho de 2011

"Aprendendo com o Voinho vol 3" na Academia Piracicabana de Letras

Voinho entre a filha Ivana, a escritora Marisa Bueloni e a presidente da Academia Piracicabana de Letras, Maria Helena Corazza, durante a sessão em que autografou o livro "Aprendendo com o Voinho vol 3"

Geraldo França (Voinho) com as filhas Maria Graziela , Ivana Maria e a neta Grazielinha
Voinho autografando sua obra

Graziela, Grazielinha e o Voinho


Vista parcial do anfitetaro da Biblioteca Municipal "Ricardo Ferraz de Arruda Pinto"

Voinho com o poeta André Bueno Oliveira

Cassio (genro) e Ivana Negri (filha)com as respectivas melhadas concedidas pela Academia Piracicaba de Letras

Voinho, já com sua medalha, autografa o livro para o confrade, Monsenhor Jamil
Voinho, Marisa Bueloni, Ivana e João Baptista Athayde


Recebendo o livro da Academia e a Medalha do confrade Felisbino de Almeida Leme





Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget