"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

CONHECENDO AS PLANTAS EPÍFITAS E TREPADEIRAS

Foto: Wikipedia


Geraldo Victorino de França ( Voinho)

                Epífitas (do grego " epi " = superfície + " fito " = planta ) é a designação dada às plantas que nascem e se desenvolvem sobre outras, porém sem parasitá-las. Portanto. são plantas autótrofas, isto é, capazes de produzir compostos orgânicos a partir de inorgânicos (fotossíntese ), ao contrário das plantas parasitas, que são heterótrofas ( incapazes dessa função ).
                 A água de chuva e os restos vegetais que se acumulam nas árvores de casca grossa, favorecem a formação de um estrato, principalmente de musgos, que permitem a sobrevivência das plantas epífitas.
                 As epífitas são comumente confundidas com parasitas, devido ao local se  encontram, porém, na verdade elas funcionam de maneira completamente diferente.
                 Entre as principais epífitas conhecidas têm-se as orquídeas e as bromélias (destas últimas existem também espécies terrestres). Alguns filodendros vivem, indiferentemente,  em árvores ou no solo, dependendo do local onde nascem.
                Trepadeiras é a denominação dada às plantas que crescem apoiando-se em um suporte qualquer, inclusive em outras plantas.Certas trepadeiras possuem gavinhas, que são caules ou folhas modificadas, que permitem a fixação ao suporte; algumas se agarram por meio de ventosas, enquanto outras, com caule volúvel, se enrolam ao redor do suporte.
               Geralmente as trepadeiras são plantas de jardim, mas também crescem em estado selvagem, como os cipós. Existem espécies  anuais e perenes. Nos dois grupos encontram-se exemplares com belas flores, como o maracujá, que produz frutos muito apreciados. Outra planta trepadeira muito conhecida é o chuchuzeiro. Algumas sobem até em paredes ou rochas, como a hera, que se fixa ao suporte por meio de pequenas e numerosas raízes que nascem, de espaço em espaço, ao longo dos seus caules. 

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

DEFINIÇÕES INCOMPLETAS



Geraldo Victorino de França (Voinho)

            Ilha - porção de terra cercada de água por todos os lados... ( menos por
cima ).
         Cão - melhor amigo do homem ... ( e também da mulher e das crianças ).
          Ladrão - amigo do alheio... ( e também do que é nosso ).
          Deputado - político eleito representante do povo no congresso para legislar
sobre as relações públicas... ( e também legislar em causa própria ).
           Lula - molusco marinho cefalópode... ( e também o atual presidente  do
Brasil ).

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

CONHECENDO OS FRUTOS BOTANICAMENTE



Geraldo Victorino de França ( Voinho)

Do ponto de vista botânico, fruto é o órgão vegetal resultante do desenvolvimento  do ovário da flor, após a fecundação; e os óvulos contidos no ovário transformam-se  em  sementes.
     A parte essencial do fruto é, evidentemente a semente, responsável pela propagação das plantas superiores.
    O fruto é chamado deiscente quando se abre para liberar a semente madura  ( vagem do feijão ); e indeiscente quando não  se abre ( maçã ).
     Os frutos deiscentes e indeiscentes, por sua vez, subdividem-se em secos ( noz )  e carnosos ( mamão ).
       Os frutos indeiscentes secos podem ser dos tipos: aquênio, núcula, cariópse; os carnosos são: baga e drupa.
      Chama-se aquênio o fruto seco  e indeiscente em que a semente única se prende à parede do fruto em um só ponto ( girassol ).Quando a parede do fruto é lenhosa e o fruto pequeno, este  é chamado núcula ( noz, amêndoa ). O fruto denominado cariópse apresenta  a  semente soldada com a parede do fruto ( cereais ). As bagas são frutos carnosos indeiscentes, freqüentemente com várias sementes ( uva, tomate ). Já a drupa é um fruto carnoso com caroço  ( pêssego, manga ).
        Os frutos deiscentes seco são: folículo, legume, cápsula; os carnosos são representados pela cápsula carnosa.
       O folículo é um fruto seco deiscente que se abre pela sutura do único carpelo de que é formado, podendo conter uma ou mais sementes. O legume é semelhante ao anterior, com número variável de sementes ( vagem de feijão ). A cápsula  é um fruto deiscente, em geral  com várias sementes ( algodão ). A cápsula carnosa é típica das Cactáceas.
          Dá-se o nome de infrutescência ao fruto originado das diversas flores de uma inflorescência ( abacaxi, figo ); e de pseudo-fruto àquele que, procedente de uma única flor, tem desenvolvida qualquer outra parte que não o ovário; por exemplo, o pedúnculo, no caso  do caju.
           Popularmente, os frutos comestíveis são chamados de " frutas ".

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

CONHECENDO OS ANIMAIS COM BARBATANAS



Geraldo Victorino de França (Voinho)

Chamam-se barbatanas ou nadadeiras os órgãos membranosos de certos animais que lhes permitem nadar, isto  é, locomover-se na água. Alguns desses animais se deslocam nas águas do mar e outros, nas águas de rios e lagos.
    As barbatanas são órgãos típicos dos peixes, animais adaptados à vida aquática; mas também são encontradas em alguns mamíferos da ordem Cetáceos e nos pinguins.
    Nos peixes, conforme a sua localização, são denominadas: a) dorsais; b) peitorais; c) ventral; d) anal; e) caudal. Podem ser pares ( peitorais e ventrais ) ou ímpares ( dorsal, anal e caudal ). As nadadeiras pares e a caudal servem para  a propulsão, enquanto que as ímpares servem para direção e estabilização.
       Os cetáceos são mamíferos que têm as patas dianteiras transformadas em barbatanas, corpo pisciforme ( em forma de peixe ), sem patas traseiras e dotados de uma nadadeira caudal. Exemplos: baleia, orca, foca, golfinho, boto, etc.
         Os pinguins são aves marinhas, incapazes de voar, mas que podem nadar porque as asas se transformaram em  nadadeiras. Também podem se locomover em terra, usando as duas patas.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

CONHECENDO AS PLANTAS HERBÁCEAS



Geraldo Victorino de França (Voinho) 

As plantas herbáceas ou simplesmente ervas são plantas não lenhosas, cujas partes aéreas vivem menos de um ano ( as partes subterrâneas podem ser perenes ), o que limita  o
seu tamanho. Compreendem grande número  de plantas cultivadas, com destaque para:
               a) Cereais - trigo, arroz, milho, aveia,centeio, cevada, etc.
               b) Plantas forrageiras - alfafa, capim-colonião, capim-jaraguá, capim-gordura, etc.
               c) Outras culturas - cana-de-açúcar, algodoeiro, mandioca, etc.
               d) Leguminosas - feijão, amendoim, ervilha, soja, etc.
               e) Hortaliças - tomate, batata, couve, repolho, etc.
               f) Floríferas - cravo, dália, lírio,  roseira,etc.
    Cabe mencionar também as chamadas ervas daninhas - que crescem em locais onde sua presença não é desejada, como entre as plantas cultivadas. As ervas daninhas prejudicam   cultura pela concorrência em água e nutrientes o solo. Exemplos: picão, carrapicho, caruru, tiririca, etc.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

CONHECENDO OS TIPOS DE REVESTIMENTOS DOS ANIMAIS



Geraldo Victorino de França (Voinho)

O corpo dos animais é revestido por diferentes tipos de órgãos, tais como: pele, pelos, penas, escamas, espinhos.
                 1.Pele. A pele é a membrana que recobre o corpo de muitos animais. No caso dos vertebrados, a pele apresenta duas camadas: a externa ou epiderme, a interna ou derme, além de anexos: pelos, penas, escamas, unhas, espinhos, etc. Cabe destacar a pele grossa dos paquidermes: elefante, hipopótamo, rinoceronte.
                  2. Pelos. São excrescências filiformes da pele de certos animais, principalmente
mamíferos. Os animais das regiões frias, como os ursos, às vezes renovam sua pelagem à entrada do inverno ( muda ). Certas espécies  caracterizam-se por pelos lanosos ( carneiro ), picantes ( ouriço ), de dois tipos ( coelho ), ou pela ausência de pelos ( baleia ). Os pelos de certas lagartas são venenosos.
                 3. Penas. São órgãos característicos das aves. As grandes penas das asas e da cauda sustentam a ave em voo. Certas aves têm penas de tipo especial, como o pavão macho e o avestruz.
         4. Escamas. São placas duras que, associadas a outras placas semelhantes, constituem o revestimento protetor de todo ou de parte do corpo de muitos animais. Os mamíferos que possuem escamas são os Desdentados ( tatu, pangolim, etc. ), mas alguns Roedores ( castor ) têm cauda escamosa. Dobras escamosas cobrem todo o corpo dos Répteis ( lagartos e cobras ). Os Peixes têm o corpo revestido por escamas de vários tipos: independentes ou imbricadas, de bordo livre dentado ou arredondado.
          5.Espinhos. São excrescências da pele de certos animais, como ouriço-cacheiro e porco-espinho; servem como arma de ataque e defesa.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

CONHECENDO O RELEVO TERRESTRE



Geraldo Victorino e França (Voinho)

 Dá-se o nome de relevo às desigualdades da superfície terrestre, representadas por três formas básicas: a) elevações; b) vertentes; c) depressões.
        As elevações se destacam na paisagem por sua maior altitude, em relação ao nível das formas vizinhas. Quando isoladas, recebem os nomes de colina, morro, montanha. Quando
agrupadas, são denominadas serra, cordilheira ou cadeia de montanhas.
      Vertentes ou encostas são as  superfícies laterais inclinadas que limitam as elevações, ligando o cume à base. Quanto à forma, as vertentes podem ser: a) planas; b) convexas; c) côncavas.
       Quando duas vertentes se unem pela parte superior, formam uma crista, espigão ou divisor de águas; quando se ligam pela parte inferior, formam um vale, em cujo fundo ou talvegue correm os rios. Se a passagem é estreita e escarpada, recebe o nome de garganta ou desfiladeiro.
        As depressões se caracterizam por sua menor altitude, em relação às formas  vizinhas. É a posição ocupada por lagos, lagoas e pântanos.
       Quando a superfície do terreno  é relativamente uniforme, recebe os nomes de; a) planície, se situada à baixa altitude; b) planalto, se situada à grande altitude.
         As vertentes costumam apresentar declividades ou inclinações muito diferentes, de modo que se pode distinguir, na superfície do terreno, áreas com relevo ora mais, ora menos ondulado. Para a sua descrição, usam-se cinco classes de relevo: a) plano; b) suavemente  ondulado; c) ondulado; d) fortemente ondulado; e) montanhoso.  

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

CONHECENDO AS ADAPTAÇÕES DOS BICOS DAS AVES



Geraldo Victorino de França (Voinho)

Dá-se o nome de bico à região bucal das aves, formada por duas mandíbulas ósseas,
cada uma revestida por um estojo córneo, pontudo ou cortante.
        A forma do bico das aves geralmente está adaptada ao regime alimentar. Exemplos:
                 a) o pica-pau tem um bico apropriado para furar a casca das árvores, a fim de buscar insetos para a sua alimentação;
                 b) o bico em forma de funil do noitibó capta, em pleno vôo, os insetos dos quais se alimenta;
                 c) a espécie de peneira formada pelas denteações do bico e da língua do pato, re-
têm os minúsculos animais que se encontram na lama;
                 d) o bico fino e alongado do beija-flor lhe permite aspirar o néctar das flores;
                 e) o pelicano tem um bico longo que sustenta, inferiormente, um verdadeiro saco de provisões;
                  f) a garça tem um bico em forma de lança, para apanhar peixes;
                  g) o bico curvado e cortante das  aves de rapina ( gavião, águia, falcão, etc.) lhes
permite rasgar com facilidade a carne de suas presas.
                  Algumas espécies de aves usam  o bico curvo, juntamente com os pés, para  se
agarrar e trepar em árvores, como a arara, o papagaio e o periquito.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

CONHECENDO OS ANIMAIS COM CASCOS



Geraldo Victorino de França ( Voinho)

Dá-se o nome de casco à unha extremamente desenvolvida dos Ungulados, isto é, mamíferos que têm os dedos das patas anteriores e posteriores protegidos por um estojo córneo que põe o animal em contato com o solo.
      Possuem cascos os equídeos ( cavalo, jumento, zebra, etc. ), os ruminantes ( boi, cabra, carneiro, etc, ) e os suínos ( porco, cateto, javali, etc. ).
      O casco geralmente compreende a muralha ou parede, a sola e a renilha - uma saliência de tecido elástico.
        Os primeiros Ungulados possuíam cinco dedos, mas com a redução gradual do número destes, foram ganhando eficiência no andar e no correr. Alguns têm número ímpar de  dedos, como o rinoceronte e a anta, que têm três, mas o cavalo só tem um: seu casco é a unha do dedo médio.
       Os cascos fendidos dos Ungulados de dedos pares, como o porco, o boi e o veado,  representam o resultado da evolução do terceiro e quarto dedos, recobertos por queratina.
      A ovelha e a cabra têm patas com cascos de bordos afiados e faces inferiores côncavas, o que lhes permite andar em terreno montanhoso e irregular. Os cascos fendidos do camelo são largos e acolchoados com grossas solas, adaptação que lhe permite caminhar no solo do deserto.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

CONHECENDO AS PLANTAS RASTEJANTES



Geraldo Victorino de França (Voinho)

      Plantas rastejantes são aquelas cujo caule não se desenvolve no sentido vertical, mas sim horizontalmente, sobre o solo. Como exemplos, podem ser citadas:
             a) Gramas - designação geral de um grupo de plantas da família das Gramíneas, perenes e de crescimento rasteiro, tais como: grama-batatais, grama-missioneira, grama-seda, etc.;
              b) Cucurbitáceas - família de plantas anuais ou perenes, a maioria delas de crescimento rasteiro, tais como: abóbora, melão, melancia,etc.;
              c) Morangueiro - planta herbácea, rastejante, que produz os saborosos morangos;
              d) Algumas plantas tanto podem ser rastejantes como trepadeiras, dependendo de encontrar ou não, um suporte. Exemplos:batata-doce, pepino, bucha, etc.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget