"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

domingo, 23 de fevereiro de 2014

CONHECENDO SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

             Sinônimos são palavras que têm o mesmo significado; antônimos são palavras de significado oposto. Exemplos:
         
            Palavra    Sinônimo   Antônimo
       1. ágil          rápido       lento
       2. alto         elevado     baixo
       3. avançar  progredir   regredir
       4. caminhar  andar      parar
       5. caro        oneroso    barato
       6.comprido  longo       curto
   7. contemporâneo atual      antigo
     8. desordem  anarquia  ordem
     9. extinguir    apagar     acender
    10. forte         robusto    fraco
    11. gordo       obeso      magro
    12. início       começo     fim
    13. inimigo   adversário  amigo
    14. louvar    enaltecer    criticar
    15. mau      ruim            bom
    16. morte   falecimento  nascimento
    17. ódio     raiva            amor
    18. próximo  perto         longe
    19. rir          sorrir          chorar

    20. tirar      retirar          colocar

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

CONHECENDO A POLINIZAÇÃO DAS FLORES

(desenho a lápis de Geraldo Victorino de França Júnior)

Geraldo Victorino de França (Voinho)

            Polinização é o transporte do pólen de uma flor para outra, ou melhor. dos grãos de pólen para os óvulos. permitindo a fecundação. Na maioria das plantas a transferência do pólen  é feita de uma planta para outra - polinização cruzada; contudo, há muitas exceções. Algumas plantas fazem a auto-polinização, isto é, o pólen e os óvulos se encontram na mesma flor; outras fazem polinização direta, ou seja, o pólen cai de uma flor para outra, na mesma planta.
               A regra geral é o pólen ser transportado de uma planta para outra. Os agentes  de
transporte do pólen são vários, incluindo: a) gravidade, na polinização direta; b) vento, importante agente de polinização cruzada; c) água, que adquire importância na polinização das plantas  aquáticas; d) animais, principalmente insetos, com destaque para abelhas e borboletas. Alguns pássaros também contribuem, principalmente  o beija-flor; e) artificial, feita pelo homem, principalmente para a obtenção de novas variedades de plantas cultivadas.

              A polinização é necessária para a frutificação, ou seja, para a formação dos frutos.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

CONHECENDO OS ANIMAIS COM BARBATANAS


Geraldo Victorino de França ( Voinho)

                Barbatana ou nadadeira é um órgão externo, adaptado para a locomoção na água,
geralmente constituído por um membro achatado, em forma de paleta. Os animais que  possuem barbatanas têm vida aquática, sendo representados por: peixes, pinguins e cetáceos.
                Os peixes são animais de corpo cilíndrico e alongado que respiram por guelras, sendo a barbatanas os únicos órgãos salientes, que funcionam como remos. Podem ser marinhos ou  de água doce. As barbatanas podem ser ímpares ou pares, sendo estas últimas adaptações  das patas. As nadadeiras ímpares são: dorsal, ventral e caudal. A nadadeira caudal desempenha papel primordial na locomoção dos peixes, ser-
vindo como leme.
                  Os pingüins são aves marinhas, incapazes de voar porque as asas se transformaram em nadadeiras, adaptadas à locomoção  aquática.
                   Os cetáceos são mamíferos adaptados à vida aquática. Têm corpo pisciforme e, apesar de respirarem por pulmões, não podem viver fora d'água. As patas anteriores transformaram-se em nadadeiras e as patas posteriores  estão ausentes. Diferenciam-se dos peixes pela ausência de escamas e de guelras, bem como pela nadadeira caudal que, em vez de ser vertical como nos peixes, é transversal. Incluem: baleias, orcas, golfinhos, cachalotes, etc. que são marinhos; e os botos, que vivem em rios.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

CONHECENDO AS CALOTAS POLARES


Geraldo Victorino de França (Voinho)

           São duas: a) calota polar Ártica, ao redor do pólo norte; b) calota polar Antártica, em torno do pólo sul. Ambas estão permanentemente cobertas de gelo; seus limites são irregulares coincidindo, aproximadamente, com os círculos polares Ártico e Antártico, respectivamente.
            A. Calota Polar Ártica. Inclui grande parte do Oceano Glacial Ártico, cuja superfície permanece congelada numa espessura  de 3 - 4 metros, formando uma crosta de gelo chamada banquisa; a camada de gelo cobre  também as terras de várias ilhas, da Groenlândia e parte do norte do Canadá, da Noruega, da Suécia, da Rússia e da Sibéria.
              No contato com as águas do mar, freqüentemente a banquisa se fragmenta formando grandes blocos de gelo, chamados "icebergs", que flutuam no oceano com a maior parte do seu volume submersa, constituindo um perigo para a navegação.
                A banquisa é despida de vegetação, exceto no contato com a " tundra ", onde aparecem musgos e liquens.
                Na faixa próxima às águas frias porém não congeladas do mar, vivem certos animais adaptados ao frio, tais como: ursos, renas, caribus, focas e morsas. Entre os organismos aquáticos encontram-se principalmente: plâncton, camarão, salmão e baleia.
                Nessa região vivem também os esquimós, um povo primitivo que constrói abrigos com blocos de gelo, chamados "iglus".
                B. Calota Polar Antártica. É   um continente gelado, rodeado pelos oceanos
Atlântico e Pacífico, ainda pouco conhecido, admitindo-se que seja um pouco maior que a Austrália. É a região mais fria da Terra - a temperatura média anual é inferior a -60 graus centígrados.
                Na orla da crosta de gelo ocorre fragmentação, com a formação de icebergs. Despida de vegetação, é habitada por poucos animais adaptados ao frio, tais como: foca, leão-marinho, pingüim e albatroz. Nas águas frias do mar, além do plâncton, encontram-se principalmente camarões e baleias.

                A Antártida não é habitada por humanos, recebendo eventualmente expedições  de cientistas.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

CONHECENDO AS PLANTAS TREPADEIRAS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

              Chamam-se plantas trepadeiras aquelas que sobem apoiando-se em outras plantas ou em um suporte qualquer. Exemplos típicos são as lianas ou cipós, comuns nas florestas tropicais. Umas possuem caule volúvel, isto é, que vai se enrolando em torno do suporte, subindo  mais a cada volta que executam. Desse modo é que também sobem o feijoeiro e a glicínia.
                Outras lianas sobem com o auxílio de espinhos, que se prendem em tudo que lhes possa servir de suporte. A roseira e a unha-de-gato também sobem dessa maneira.
                Como exemplos de lianas trepadeiras podem ser citadas: cipó-chumbo, cipó-de-são-joão, guaranazeiro, etc.
                 Um caso interessante é o da hera, uma planta trepadeira muito comum em parques e jardins, que sobe até em paredes, com o auxílio de numerosas raízes adventícias.
                  Outro processo é utilizando-se de gavinhas, folhas e caules modificados que se prendem a suportes, enroscando-se como molas espirais. O pepino, o maracujá e a videira sobem dessa maneira.


segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

CONHECENDO AS PLANTAS CARNÍVORAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

  Normalmente, as plantas servem de alimento para muitos animais, principalmente os
herbívoros. Entretanto, algumas plantas invertem essa regra do jogo ecológico e devoram pequenos animais, principalmente insetos ( larvas e adultos ), sendo por isso chamadas plantas carnívoras ou insetívoras. Elas possuem folhas modificadas, isto é, transformadas em armadilhas para capturar insetos e outros pequenos animais; também segregam enzimas que digerem os animais capturados.
                 A maioria dessas plantas crescem nos pântanos, e algumas em solos pobres em
nutrientes minerais. As principais plantas carnívoras são as seguintes:
                1. Drósera. Planta herbácea comum nos terrenos pantanosos, com ampla distribuição mundial. Possuem folhas redondas providas de longos pelos pegajosos, aos quais ficam presos os insetos que nela pousam; e em seguida, são digeridos.
                 2. Nepenthes. Gênero de plantas trepadeiras e epífitas, que ocorrem nas matas, cujas folhas se modificaram formando urnas pendentes e cheias de água, nas quais os insetos são aprisionados e digeridos.
              3. Dionéia. É uma planta herbácea cujas folhas são dobradas em duas lâminas com bordos denteados. Quando um inseto pousa sobre uma das lâminas, a folha se fecha subitamente e os bordos denteados se entrelaçam, aprisionando o pequeno animal que é digerido. Dias após, a folha volta a se abrir.

          4. Utriculária. É uma planta herbácea aquática, cujos caules submersos possuem folhas profundamente modificadas, formando urnas ou ascídeas que têm na parte superior uma abertura com alçapão coberto de pelos. Ao contato com um inseto, o alçapão se abre e o animalzinho cai no interior da urna. A seguir o alçapão se fecha e a presa é digerida.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget