"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

quinta-feira, 30 de julho de 2015

CONHECENDO O EUCALIPTO


Geraldo Victorino de França (Voinho)

               Eucalipto é o nome de uma árvore nativa da Austrália, introduzida com sucesso em quase todos os países do mundo, incluindo o Brasil.Pertence ao gênero Eucalyptus, da família das Mirtáceas, contando com mais de 700 espécies e variedades. Caracteriza-se por seu tronco reto e alto e pelas folhas estreitas e compridas.
               Na Austrália, o eucalipto forma extensas  florestas com grandes troncos, chegando a atingir 100 m de altura. No Brasil, as espécies que melhor se adaptaram foram: E. alba, E. saligna, E. citriodora, E. tereticornis e E. robusta, que servem para diferentes finalidades.
               As plantações são formadas por meio de mudas, preparadas em viveiro e plantadas no espaçamento de 2mx2m. Aos 7 anos é feito o primeiro corte para lenha; aos 14-15 anos é feito o segundo corte; e aos 25 anos é feito o corte final para madeira.
               Por seu rápido crescimento e alto porte, o eucalipto é muito empregado para formar quebra-ventos e na arborização urbana. Também são usados para postes e mourões de cercas.
               Das folhas do eucalipto se extrai, por destilação aquosa, um óleo volátil, chamado eucaliptol, empregado e perfumaria e cosméticos.

                Usinas siderúrgicas e indústrias de papel procuram garantir o suprimento de matéria-prima  realizando grandes reflorestamentos com eucalipto.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

CURIOSIDADES DO REINO VEGETAL - 11

Sumaúma

Geraldo Victorino de França (Voinho)

a)           O fumo é uma planta da família das Solanáceas cujas folhas, uma vez preparadas, são utilizadas para a fabricação de cigarros e charutos ou consumidas em cachimbo.
               b) Dá-se o nome de micorriza à associação simbiótica das raízes de plantas com as hifas de certos  fungos. As hifas ajudam a absorver água e os nutrientes minerais do solo. Por sua vez, os fungos retiram nutrientes orgânicos da seiva das plantas.
               c) A sumaúma é uma das maiores árvores da Amazônia, chegando a atingir 40 metros de altura. Seu tronco é dotado de sapopema ( raiz modificada ) de 80
a 160 centímetros de diâmetro, que se eleva até 2 metros de altura.
               d) Dá-se o nome de pneumatóforos às raízes respiratórias de certas plantas, especialmente dos mangues, que têm aerênquimas ( parênquimas contendo espaços intercelulares cheios de ar ) bem desenvolvido, provido de aberturas que permitem trocas gasosas com o exterior e que crescem para fora do solo encharcado

ultrapassando , no caso dos mangues, o nível das marés altas.

domingo, 12 de julho de 2015

CONHECENDO OS MAMÍFEROS OVÍPAROS


Geraldo Victorino de França  (Voinho)

                Os cientistas admitem que os mamíferos são o resultado da evolução de um grupo de répteis, há milhões de anos. Esta hipótese é confirmada, em parte, pelos fósseis; e em parte, pela existência de alguns mamíferos que sobrevivem até nossos dias conservando alguns aspectos dos répteis, como os mamíferos ovíparos. da ordem Monotremos. Compreendem três  gêneros, restritos à Austrália: Ornitorrinco, Équidna e Taquiglosso.
                 Esses animais possuem afinidades com os répteis, especialmente no que diz respeito aos ossos do crânio, espinha dorsal e extremidades. Os aparelhos digestivo, reprodutor e excretor abrem-se numa câmara única, chamada cloaca ( daí o nome Monotremos ). Mas a característica mais relevante é a de serem ovíparos, isto é, põem ovos com gema e protegidos pela casca. As fêmeas possuem mamilos pouco diferenciados, com os quais amamentam seus filhotes.
                 O ornitorrinco possui um bico semelhante ao do pato, e patas curtas e palmadas, que o tornam excelente nadador. Alimentam-se basicamente de moluscos.
                O équidna tem focinho longo e estreito, corpo coberto por pelagem espinhosa e pés curtos com dedos providos de unhas fortes e afiladas. Alimentam-se de formigas e térmitas ou cupins.
                O taquiglosso é semelhante ao équidna, mas com o focinho mais curto.

                Os mamíferos atuais, na sua maioria, são vivíparos, isto é, as fêmeas dão à luz filhotes já formados.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

CONHECENDO A PROPAGAÇÃO DE PLANTAS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

                 Nas plantas inferiores, a propagação pode ser feita por divisão celular ou por meio de esporos.  Nas plantas superiores, a propagação pode ser feita por duas vias: a) sexuada; b) assexuada ou vegetativa.
                 A reprodução sexuada é feita por sementes, que resultam da fecundação das flores. Para a formação das sementes é necessário um processo de união de dois núcleos sexuais, um proveniente do pólen e outro do óvulo. As plantas descendentes podem ser  semelhantes a um dos progenitores, a ambos ou  a  nenhum deles, dependendo da combinação dos genes.
                 Por propagação assexuada ou vegetativa entende-se a multiplicação de uma planta utilizando partes da mesma, capazes de reproduzir a planta original, ou planta-mãe. Para isso, podem ser utilizadas diferentes partes da planta-mãe: a) bulbos ( cebola, alho ); b) tubérculos  ( batatinha ); c) rizomas ( bananeira, bambu ); pedaços de ramos ( videira, roseira ); etc. A planta assim obtida é geneticamente idêntica à planta  original.
                 Muitas plantas podem ser propagadas vegetativamente, distinguindo-se vários processos: a) estaquia, que utiliza pedaços de ramos contendo algumas gemas ou nós, que darão origem a raízes na parte em contato com o solo  e a folhas na parte aérea;b) enxertia, que consiste em juntar partes de duas plantas, de modo que o conjunto, através da regeneração de tecidos, venha a formar uma nova planta; c) mergulhia, que consiste em enterrar um ramo ainda preso à planta-mãe deixando a parte terminal do ramo fora do solo; o segmento enterrado enraiza e então corta-se o ramo que o liga à planta-mãe, obtendo-se assim uma nova planta.


Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget