"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

sábado, 17 de fevereiro de 2018

CONHECENDO A HISTÓRIA DE SANSÃO


Geraldo Victorino de França (Voinho)

                 Sansão é um personagem bíblico, juiz dos hebreus, célebre por sua força prodigiosa e pelas lutas que empreendeu contra os filisteus, povo vizinho aos israelitas.
                 Na descrição dos feitos de Sansão, são evidentes as semelhanças entre a sua história e a do herói greco-romano Hércules.
                 Segundo a lenda, antes do seu nascimento apareceu um anjo à sua mãe que o filho guardaria o voto dos nazarenos, jamais cortaria os cabelos, não  beberia vinho, nem comeria alimentos impuros.
                Suas aventuras começam na juventude, quando matou um leão usando apenas as mãos. Ao alcançar  a maioridade desposou uma jovem filistéia, que o traiu casando-se com outro homem. Sansão vingou-se atando archotes acesos à cauda de raposas e soltando-as em meio às searas dos filisteus. Estes chamaram os  hebreus e exigiram-lhes que entregassem Sansão. Preso, rompeu as cordas que o amarravam e, armado de uma queixada de burro, matou cerca de 1.000 filisteus. Mais tarde, novamente preso na cidade de Gaia, conseguiu escapar arrancando as portas da cidade.

                Apaixonado por Dalila, contou-lhe o segredo de sua extraordinária força, que residia nos seus  longos cabelos. Foi por ela traído, que lhe cortou os cabelos enquanto dormia e o entregou aos inimigos. Mais tarde, quando o cabelo cresceu e Sansão recuperou a força, derrubou as colunas do templo de Dagon,  durante uma cerimônia religiosa.  

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

CONHECENDO OS PINHEIROS

Coníferas do Canadá




Geraldo Victorino de França (Voinho)

                 Pinheiro é a denominação genérica dada às árvores coníferas , pertencentes à família Pináceas. Os pinheiros verdadeiros pertencem ao gênero Pinus, compreendendo cerca de 90 espécies, apresentando folhas aciculifoliadas ( em forma de agulhas ) e frutos do tipo cone ( pinha ), contendo várias sementes ( pinhões ).
                 Diversos pinheiros são cultivados como plantas ornamentais, bem como para a produção de madeira, resina ( terebentina ) ou polpa para a fabricação de  papel.
                 Numa plantação florestal de pinheiros, geralmente são feitos cortes sucessivos, iniciados entre 7 e 8 anos, até o corte final para madeira.
                 No Brasil, denomina-se pinheiro-do-Paraná uma outra conífera, pertencente ao gênero Araucaria. Nativo da região sul do Brasil, o pinheiro-do-Paraná é muito cultivado por causa da sua excelente madeira.
                 No Chile ocorre outra espécie de pinheiro do gênero Araucaria, porém pertencente a outra espécie - Araucaria imbricata, enquanto que o pinheiro brasileiro pertence à espécie Araucaria angustifólia.

                Quanto ao rendimento, o pinheiro brasileiro fornece em média, aos 15 anos, cerca de 400 m3 de polpa para celulose e, aos 30 anos, ao redor de 800 m3 de madeira para serraria.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

CONHECENDO A LENDA DO LOBISOMEM

(foto: Google)



Geraldo Victorino de França (Voinho)

              Lobisomem é uma figura do folclore medieval, misto de lobo e homem. A capacidade de se transformar em lobisomem resulta de pacto com o diabo, ou de cópula entre feiticeiras e lobos.
              Diz a lenda que o lobisomem perambula à noite pelos campos e terrenos ermos, matando cães e atacando pessoas. É lenda universalmente difundida entre os povos europeus.
              A lenda também diz que o encantamento e a metamorfose acontecem às sextas-feiras, em noites de lua cheia. Da meia-noite às duas horas da manhã, o lobisomem tem de cumprir sua ronda fatídica, visitando sete cemitérios de igrejas, sete vilas, sete outeiros, sete encruzilhadas, até retornar ao local de partida, onde retoma a forma de homem.

              Como homem, é extremamente pálido, magro, pecaminoso, de orelhas compridas e nariz afilado. Como lobo, é assassino e antropófago. Para desencantá-lo, basta o menor ferimento que cause sangue. Se alguém, por acaso, sujar-se com seu sangue, herdará sua triste sina. 

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Direto do túnel do tempo



sábado, 30 de dezembro de 2017

CUIDADO COM A PRONÚNCIA


Geraldo Victorino de França (Voinho)

No linguajar comum, frequentemente se observam casos de pronúncia viciosa.
Vejamos alguns exemplos, indicando as pronúncias viciosas e as corretas.
         Pronúncias viciosas    Pronúncias corretas

        Efigênia ......................... Ifigênia
         degladiar ........................ digladiar
         entitular .......................... intitular
         impecilho ........................ empecilho
         meiados ......................... meados
         freiar .............................. frear
         prazeirosamente ............ prazerosamente
         própio  ........................... próprio
         frustado ......................... frustrado
         dignatário ...................... dignitário
         supertição ..................... superstição
         mendingo ...................... mendigo
        precalço ........................ percalço
        rúbrica ............................ rubrica
        Artemis ........................... Ártemis

        púdico ............................ pudico

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

CONHECENDO OS PALÍNDROMOS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

              Dá-se o nome de palíndromo à palavra ou frase que, lida da esquerda para a direita  ou da direita para a esquerda, tem o mesmo sentido.

              a) Exemplos com palavras
                  1. ala                6. raiar
                  2. arara            7. ralar
                  3. asa              8. reviver
                  4. ovo              9. saias
                  5. radar          10. Salas

              b) Exemplos com frases
                1. a diva da vida
                   2. ato idiota
                   3. a bola da loba
                   4. após a sopa
                   5. até o poeta
                   6. a babá baba
                   7. o lobo ama a bola
                   8. subi no ônibus
                   9. o mito é ótimo

                 10. anotaram a data da maratona.

sábado, 4 de novembro de 2017

CONHECENDO OS SIGNIFICADOS DA PALAVRA " PRESAS "


Geraldo Victorino de França (Voinho)

               A palavra " presas" é usada em Ecologia e Zoologia com vários significados diferentes, a saber:
              A. Ecologia. Presa é o nome dado a um ser vivo que é capturado por um animal carnívoro, denominado predador, para o seu sustento. Pequenos predadores podem se tornar presas de predadores maiores.
              B. Zoologia.
            a) Nome dado aos dentes compridos e agudos de certos mamíferos. Nos animais pequenos ou de porte médio, como o javali, as presas correspondem aos dentes caninos. Em outros animais, principalmente  os de grande porte, como o elefante, as presas são os incisivos que se desenvolveram consideravelmente. As presas servem como órgão de ataque e defesa. A morsa faz uso de suas longas presas para arrastar-se pelas colinas acima, bem como para arrancar mariscos e outros alimentos das rochas e do fundo do mar.
                b) Nome dado também aos dentes inoculadores da cobras venenosas. Dobrados quando em repouso, esses dentes se endireitam no momento da picada.
Nas Solenóglifas ( como a jararaca ), são por vezes ocos como agulhas de injeção e situados na frente, o que as torna muito perigosas. Nas Proteróglifas ( como a  coral, as presas são menos especializadas , embora ainda situadas na frente e, portanto, perigosas. As Opistóglifas ( como a muçurana ) têm, ao contrário, as presas situadas no fundo da boca e não podem picar as  vítimas, a não ser no decorrer da deglutição.
                c) Também são chamadas de presas as garras das aves de rapina, afiadas e curvas, como as da águia, gavião e coruja.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

ESALQ- ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ


Geraldo Victorino de França (Voinho)

Tradicional faculdade de Agronomia da Universidade de São Paulo, criada em 1901, graças ao idealismo de Luiz Vicente de Souza Queiroz, que resolveu doar ao Governo do estado a sua Fazenda São João da Montanha, em 1892, para que nela fosse instalada uma escola de agricultura.
Além do curso de Agronomia, são ministrados outros cursos, como Engenharia Florestal. O curso de Economia Doméstica foi desativado em 1991.
Em 1964 tiveram início os cursos de pós-graduação em nível de mestrado, e em 1970, em nível de doutorado.
Atualmente existem também muitos programas internacionais para graduação.

Em 2017, a ESALQ celebrou os 15 mil profissionais formados pela instituição desde sua fundação em 1901.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

CENA – CENTRO DE ENERGIA NUCLEAR NA AGRICULTURA


Geraldo Victorino de França (Voinho)


Criado em 1961, como órgão anexo da ESALQ para estudos de aplicação das técnicas nucleares na agricultura. 
Em 1968 passou a ser órgão independente, também filiado à USP- Universidade de São Paulo. Atualmente, além das pesquisas, o CENA promove alguns cursos de especializações.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

PIRACEMA E PIRACICABA


Geraldo Victorino de França (Voinho)

São termos de origem tupi. O primeiro é aplicado ao fenômeno observado em certas espécies de peixes que precisam emigrar para fins de reprodução. Para vencer obstáculos, tais como corredeiras, saltos e pequenas barragens, os peixes se arremessam contra esses obstáculos causando muitas mortes. No caso do rio Piracicaba, o seu salto constitui um obstáculo para essa migração.
Assim, por época de sua fundação, já os exploradores encontravam os índios paiaguás acampados nas margens do salto, em busca da fácil captura dos peixes para sua alimentação, dando origem ao nome Piracicaba, que significa “lugar onde o peixe pára”.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget