"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

segunda-feira, 26 de junho de 2017

CONHECENDO AS CULTURAS CUJOS PRODUTOS SÃO SUBTERRÂNEOS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

             As principais culturas que formam produtos no interior do solo são as seguintes:
            1. Alho. Hortaliça cujos bulbos são largamente utilizados como condimento em culinária, e também por suas propriedades medicinais.
             2. Amendoim. Erva da família das leguminosas, cujos frutos são vagens que se desenvolvem no interior do solo e cujas sementes são torradas e usadas na alimentação humana.
             3. Araruta. Planta herbácea cujo rizoma, além de fornecer uma farinha de alto valor nutritivo, pode ser utilizado contra febres intermitentes, contra a dispepsia, sendo que o suco serve contra mordedura de cobra e picada de mosquito.
             4. Batata-doce. Planta rastejante que  produz tubérculos radiculares, ao contrário da batata-inglesa ou batatinha, que produz tubérculos caulinares.  É um alimento importante, rico em carboidratos, que serve também de alimento para animais
             5. Batata-inglesa ou batatinha. Planta cujos tubérculos caulinares fazem dela uma das mais importantes plantas cultivadas, constituindo uma das bases alimentares para centenas de milhões de pessoas que habitam as regiões frias e temperadas  do globo terrestre. Serve ainda de alimento para o gado e tem emprego industrial na fabricação de amido, de álcool e de bebidas
               6. Beterraba. Importante planta olerícola cuja parte comestível é a raiz tuberosa,de coloração vermelho-escura devido à presença do pigmento antocianina. Em países das regiões temperadas, é usada também para a fabricação de açúcar.
               7. Cará. Planta hortícola produtora de grande quantidade de tubérculos muito apreciados para  o preparo de sopas, bolos e pães.
               8. Cebola. Planta herbácea que produz um bulbo arredondado, largamente utilizado como  condimento em culinária.
              9. Cenoura. Hortaliça cuja raiz pivotante é comestível. É rica em cálcio e caroteno - precursor da  vitamina A, que lhe confere a cor alaranjada.
             10. Inhame. Hortaliça cujo rizoma tuberoso e farináceo é consumido depois de cozido; tem propriedades medicinais.
             11. Mandioca ou aipim. Planta arbustiva  com raiz tuberosa e ramificada, rica em amido, mas pobre em proteínas, gorduras e vitaminas. É utilizada na  alimentação humana e dos animais, e na fabricação de farinha. Existem duas variedades: a mandioca brava e a mandioca mansa, que diferem pelo teor de ácido cianídrico. A mandioca é consumida depois de cozida, ou na forma de farinha.
                 12. Mandioquinha- salsa. Hortaliça cujas raízes tuberosas possuem alto valor nutritivo ( ricas em niacina, em vitaminas e em fósforo ) e alta digestibilidade, que são largamente empregadas no preparo de sopas, guisados e purês.
                 13. Mangarito. Outra hortaliça cujos  rizomas são empregados no preparo de sopas, purês e bolinhos.
                 14. Nabo. Hortaliça com raiz tuberosa comestível, rica em sais minerais e vitaminas. É usada na alimentação humana e dos animais.

                  15. Rabanete. Hortaliça com raiz pivotante e grossa. A parte externa da raiz geralmente é vermelha, e o interior é branco. Consumida crua, é rica em cálcio e vitaminas, com sabor picante.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

CONHECENDO ALGUNS EPÍTETOS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

             Epíteto é a palavra ou frase que qualifica uma pessoa. Geralmente é atribuído a uma pessoa famosa ou personalidade da História. Exemplos;
              1. Alexandre, o Grande
              2. Átila, o Rei dos Hunos
              3. Cleópatra, a Rainha do Egito
              4. Ivan, o Terrível
              5. Jesus Nazareno, Rei dos Judeus
              6. José Bonifácio, o Patriarca da Independência
              7. Lampião, o Rei do Cangaço
              8. Leônidas, o Diamante Negro
              9. Oscar, o Mão Santa
             10. Pelé, o Rei do Futebol
             11. Plínio, o Moço
             12. Plínio, o Velho
              13. Princesa Isabel, a Redentora
             14. Roberto Dinamite
             15. Ronaldo, o Fenômeno
             16. Rui Barbosa, Águia de Haia
             17. Santos Dumont, o Pai da Aviação
             18. Sigmund Freud, o Pai da Psicanálise
             19. Sílvio Santos, o Homem do Baú

             20 Xuxa, a Rainha dos Baixinhos

quinta-feira, 8 de junho de 2017

CONHECENDO A LENDA DE DÉDALO E ÍCARO


Geraldo Victorino de França (Voinho) 

                 Dédalo e Ícaro são personagens da mitologia grega. Dédalo era um artesão ateniense muito hábil, responsável por várias obras nas áreas de arquitetura e escultura. Tinha um aprendiz chamado Talos, que se mostrou bastante hábil, inventando a serra a partir das mandíbulas de um crocodilo, despertando a ira e a inveja de Dédalo, que o arremessou de cima do telhado matando-o. O crime foi descoberto e Dédalo teve de fugir para a ilha de Creta, onde se apresentou ao rei  Minos como arquiteto e inventor.
                Foi o responsável pela construção do Labirinto, onde foi enclausurado o Minotauro. Mas Dédalo acabou aprisionado dentro dele, juntamente com seu filho Ícaro, por ter ensinado a Ariadne o segredo para escapar do labirinto ( utilizar um fio preso na entrada e que ia se desenrolando à medida que se avançasse para o interior do labirinto ). Ariadne ajudou Perseu  a sair do labirinto, depois de nele penetrar e matar o Minotauro.

                Dédalo fabricou então asas fixadas com cera e ele e seu filho puderam escapar do labirinto; mas Ícaro ignorou as advertências do seu pai e voou em direção ao Sol, que derreteu a cera das asas e o fez cair ao mar e morrer afogado.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

CONHECENDO FRASES DE PÁRA-CHOQUE DE CAMINHÃO


Geraldo Victorino de França (Voinho) 

            Os caminhoneiros encontraram uma forma interessante de comunicação, pintando frases curiosas nos pára-choques de seus caminhões. Vamos conhecer algumas:
           1. Cana na fazenda dá pinga, pinga na cidade dá cana.
           2. Na vida tudo é passageiro, menos motorista e cobrador.
           3. Não sou notícia ruim, mas ando muito e depressa.
           4. Quem inventou o trabalho, não tinha o que fazer.
           5. Devagar se vai ao longe.
           6. Quem madruga fica com sono o dia inteiro.
           7. Casei-me com Maria, mas viajo com Mercedes.
           8. Cada ovo comido é um pinto perdido.
           9. O sol nasce para todos, a sombra para quem merece.
          10. As mulheres perdidas são as mais procuradas.  
          11. Quem gosta de mulher feia é salão de beleza.
          12. 70 me passar, passe 100 atrapalhar.
           13. O mundo gira, eu rodo.
          14. Feliz foi Adão, que não teve sogra nem  patrão.
           15. O rico pega o carro e sai; o pobre sai e o carro pega.
            16. Ser canhoto é fácil; difícil é ser direito.
            17. Se casamento fosse bom, não precisava testemunhas.
            18. Estrada é como mulher: cheia de curvas.
            19. A fila do lado sempre anda mais depressa.

            20. Se homem fosse dinheiro, baixinho seria troco.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Escola Normal Oficial de Piracicaba



Atual Sud Mennucci, antiga Escola Normal Oficial de Piracicaba
Professores Jethro, Belmudes e Ademar
Foto de 1944 do acervo da família de Zilda Giordano de França

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

CONHECENDO A LENDA DOS ARGONAUTAS


Geraldo Victorino de França (Voinho)

               Os Argonautas eram um grupo de heróis da mitologia grega, de uma geração antes da guerra de Tróia.
Ao todo, eram 50 companheiros que, comandados por Jasão, embarcaram no navio Argos ( daí o nome argonautas ), numa difícil e perigosa viagem até Colchis, para recuperar o velocino de ouro ( carneiro de lã de ouro ).
               Cruzaram o mar Egeu, fazendo escala em Lemnos, onde encontraram uma vila habitada só por mulheres, que haviam matado todos os homens. Passaram pelo estreito de Helesponte, onde encontraram o adivinho cego Finco, que era atormentado pelas hárpias. Aí, prepararam uma armadilha e derrotaram  as hárpias.
               Quando os heróis chegaram ao seu destino,  tiveram que enfrentar outro desafio: derrotar dois touros de bronze que soltavam fogo pelas narinas. Medéia, esposa de Jasão, preparou para ele uma poção que lhe conferia imunidade ao fogo; e Jasão conseguiu derrotar os touros. Depois Medéia preparou um feitiço de  sono que fez com que o dragão de guarda adormecesse e Jasão pode, então, roubar o velocino de ouro
                 Quando chegaram em Creta, tiveram de enfrentar Talos, um autômato construído por Hefesto para proteger a ilha de qualquer invasor. Com a ajuda de Medéia, Jasão conseguiu chegar perto de Talos e desligar o seu mecanismo.

                 Finalmente chegaram ao seu destino, com o velocino de ouro. As aventuras dos Argonautas  duraram quatro meses.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CONHECENDO OS TIPOS DE CAULE

(fonte Google)

Geraldo Victorino de França (Voinho)

          Caule é a parte da planta intermediária entre as raízes e as folhas. Geralmente é um órgão aéreo, mas assim como existem raízes aéreas, existem também caules subterrâneos.
           Os caules apresentam forma, estrutura e dimensões muito variáveis, podendo ser classificados em vários tipos: a) aéreos - tronco, estipe, colmo, volúvel, etc.; b) subterrâneos - bulbo, tubérculo, rizoma.
           1. Tronco. Caule lenhoso, geralmente ramificado, com os ramos providos de folhas. É encontrado nas árvores e arbustos.
           2. Estipe. Caule lenhoso, geralmente comprido e cilíndrico, não ramificado, com um tufo de folhas na extremidade superior. É o caule das palmeiras.
           3. Colmo. Caule com nós bem definidos e entrenós maciços ( cana-de-açúcar ) ou ocos ( bambu ). É o caule típico das Gramíneas.
           4. Haste. Caule de pouca consistência, herbáceo ou fracamente lignificado, encontrado nas ervas.
           5. Caule volúvel. Caule trepador, que cresce enrolando-se em um suporte que pode ser  outra planta. Exemplos: maracujá, cipós, etc.
           6. Cladódio. Caule achatado, verde  e sem folhas, como o dos cáctos.
           7. Estolho ou estolão. Caule rastejante, que emite raízes para baixo e brotos e folhas para cima. Exemplos: gramas, morangueiro, etc.
           8. Bulbo.Caule subterrâneo com gemas protegidas por catófilos ( folhas modificadas ), que armazenam reservas. Exemplos: alho, cebola, etc.
            9. Tubérculo. Caule subterrâneo, intumescido por conter reservas amiláceas. Exemplos: batatinha, cará, etc.

           10. Rizoma. Caule subterrâneo, de forma semelhante a uma raiz, com função armazenadora de reservas. Emite raízes adventícias  para a terra e folhas para a parte aérea. É  o  caule característico das Pteridófitas, como a samambaia. Encontrado também no bambu  e  na bananeira.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

CONHECENDO AS ASSOCIAÇÕES BIOLÓGICAS


Geraldo Victorino de França - Voinho

              Na simbiose há ajuda mútua, cooperação. O exemplo clássico é representado pelos líquens - associações de uma alga com um fungo filamentoso. Graças à simbiose, os líquens  podem sobreviver em lugares inóspitos, como  em altas montanhas, em regiões desérticas e  até em regiões árticas. Os líquens são típicos  da tundra - vegetação das regiões frias.
              No caso do comensalismo, a cooperação é, de certa forma, unilateral: um indivíduo  serve-se de outro sem prejudicá-lo para: a) alimentar-se, como certos besouros que vivem em câmaras de lixo dos formigueiros; b) locomover-se, como a mosca-do-berne, que coloca seus  ovos sobre outras moscas para serem transportados para o gado.
              Já no parasitismo, um organismo vive associado a outro, de espécie diferente denominado hospedeiro, do qual depende para obter o seu alimento. O parasitismo tanto pode ocorrer entre plantas como entre animais. No caso dos vegetais, os parasitas são plantas heterófitas, incapazes de produzir compostos orgânicos  a partir de inorgânicos  ( via fotossíntese ); portanto, devem retirá-los de outras plantas capazes dessa função, chamadas plantas autótrofas. Como exemplo pode ser citado o cipó-chumbo.

               No caso dos animais, o parasitismo pode ser: a) temporário, exemplificado pela lombriga, sanguessuga, etc.; b) permanente, como a maioria dos fungos e bactérias que causam  doenças nos hospedeiros, quer sejam plantas, animais ou o próprio homem.

domingo, 13 de novembro de 2016

CONHECENDO ALGUNS EPÔNIMOS - 1


Geraldo Victorino de França (Voinho)

          Epônimos são palavras que usamos frequentemente e que foram inspiradas em gente de verdade. Seguem-se alguns exemplos:
          1. abreugrafia - ´método para diagnosticar doenças inventado pelo médico paulista Manuel Dias de Abreu.
           2. aurélio - virou nome de dicionário, por causa do Dicionário Aurélio, de autoria de Aurélio Buarque de Holanda.
           3. balzaquiana - designação atribuída  às mulheres na faixa dos 30 anos, baseada na personagem do romance " A mulher de 30 anos " do escritor francês Honoré de Balzac.
           4. benjamin - nome dado a uma tomada elétrica inventada pelo norteamericano Benjamin Franklin.
            5. brigadeiro - doce criado no Brasil, cujo nome foi uma homenagem ao brigadeiro Eduardo Gomes.
            6. casanova - nome dado aos conquistadores amorosos, originário do aventureiro italiano Giovanni Casanova.
            7. daltônico - nome dado às pessoas com problemas para distinguir cores, fenômeno de que era portador o inglês John Dalton.
            8. gilete - nome dado à lâmina de barbear, inventada pelo norteamericano King  Camp Gillette.
            9. homérico - adjetivo usado para designar algo grandioso ou fantástico, devido ao  estilo do poeta grego Homero, autor dos poemas épicos Ilíada e Odisséia.
            10. jumbo - adjetivo significando enorme ou muito grande, por analogia com um enorme elefante africano de 6,2 toneladas, chamado Jumbo, em exibição no zoológico de Londres

sábado, 5 de novembro de 2016

CONHECENDO AS ALGAS

(foto Google)

Geraldo Victorino de França (Voinho)

               As algas são plantas criptogâmicas pertencentes ao grupo das Talófitas, desprovidas de folhas, caules ou raízes verdadeiras, mas que geralmente são autótrofas, isto é, fazem a sua própria alimentação através da fotossíntese. São conhecidas perto de 17.000 espécies de algas.
               Podem ser uni ou pluricelulares, sendo que algumas formam colônias. A maioria vive em ambiente aquático, tanto em água doce como em água salgada. Variam muito de tamanho, desde algas microscópicas que são componentes do plâncton, até algas filamentosas que atingem dezenas de metros de comprimento. Muitas vivem em lugares úmidos, como o solo ou casca de árvores; outras se alojam no interior dos tecidos vegetais ( algas endófitas ).
             Existem ainda algas que se adaptaram ao parasitismo, embora raras. Deve ser mencionada ainda a existência de associações do tipo simbiose entre algas e fungos para formar os líquens.
             Encontram-se algas azuis ou cianófitas, algas douradas ou crisófitas, algas pardas ou  feófitas, algas vermelhas ou rodófitas.
             Alguns países, como o Japão, praticam o cultivo de certas espécies de algas para  serem utilizadas na indústria alimentícia.

             A classificação das algas sempre foi um problema para os biólogos, pois muitas possuem características em comum tanto com plantas como com animais. Assim, alguns autores classificam as algas junto com as plantas, por realizarem a fotossíntese; e outros, como um grupo separado, constituindo o reino dos Protistas, que também inclui os fungos e os protozoários.

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget