"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Meio Ambiente

AMEAÇAS AO MEIO AMBIENTE
Geraldo Victorino de França (Voinho)

No final do século XX os cientistas chegaram à conclusão da fragilidade dos ambientes, tanto terrestres como aquáticos, ameaçados pela poluição e pelo aquecimento global.
As florestas tropicais, que fornecem a maior parte do oxigênio necessário à respiração dos seres vivos, estão sendo derrubadas, principalmente na África, na América do Sul e no Sudeste da Ásia. A camada de ozônio que nos protegia contra as radiações nocivas, como os raios ultra-violeta, está ficando cada vez menor.
Os problemas ambientais têm origem no mau uso do solo e no aumento da industrialização. A erosão do solo e a mineração a céu aberto deixaram cicatrizes na área rural. Na zona urbana, as cidades foram crescendo e as fábricas e veículos foram se multiplicando, liberando substâncias tóxicas no ar. Com a tendência de outros países também se desenvolverem, aumentando a industrialização, a poluição poderá levar a Terra a uma catástrofe ecológica.
A poluição do ar é causada por várias fontes: a) motores de combustão interna, que produzem dióxido de carbono, hidrocarbonetos e óxidos de nitrogênio; b) usinas elétricas movidas a carvão e outros processos industriais que liberam óxidos de enxofre e nitrogênio que, combinados à umidade atmosférica, produzem os ácidos sulfúrico e nítrico, ocasionando as chamadas "chuvas ácidas", que causam sérios danos às plantas e aos animais; c) queimadas anuais de restos de culturas e sobras de capim das pastagens, que produzem fuligem e gases tóxicos.
A poluição da água é provocada por resíduos industriais e domésticos, bem como vazamentos de navios e tubulações, causando sérios danos às várias formas de vida aquática.
A poluição do solo é causada principalmente pelo uso de agrotóxicos ou defensivos agrícolas - inseticidas, fungicidas, herbicidas, etc.
Em conseqüência da emissão de gases na atmosfera, ocorre o chamado "efeito estufa", que provoca o aquecimento global - processo lento e gradual. As temperaturas médias da Terra aumentaram cerca de 0,5 graus centígrados no último século. Os cientistas prevêem que se o clima continuar a se tornar mais quente, as geleiras das calotas polares tendem a derreter-se e a liberar mais água para os oceanos, elevando o nível dos mares. A projeção para o futuro é preocupante, podendo ocorrer o desaparecimento das ilhas baixas e a inundação de cidades litorâneas, como Veneza, Rio de Janeiro, Santos, Nova York e outras.

Um comentário:

Marisa Bueloni disse...

Parabéns, sr. Geraldo! Belo texto!
Precisamos cuidar do nosso planeta - a nossa casa! Receba meu abraço e minha profunda admiração! MARISA BUELONI

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget