"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Conhecendo a flora da América do Sul

CONHECENDO A FLORA DA AMÉRICA DO SUL
Geraldo Victorino de França (Voinho)

A vegetação natural da América do Sul é bem complexa, abrangendo diferentes tipos, a saber:
1. Floresta Amazônica. Devido ao clima quente e úmido, toda a Bacia Amazônica
e as Guianas estão cobertas por uma floresta tropical densa e sempre verde, onde predominam árvores latifoliadas ( de folhas largas ); ocorrem também palmeiras, lianas ou cipós e epífitas. Além de árvores que fornecem madeira, como o mogno, destacam-se a seringueira e o cacaueiro.
2. Mata Atlântica. Formação florestal que se estende por uma faixa costeira, desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, com maior expressão nas Serras do Mar e da Mantiqueira. Trata-se de área com alta pluviosidade, de modo que as árvores são frondosas e perenifólias ( de folhas perenes ), geralmente acompanhadas por palmeiras e epífitas.
3. Cerrado. Tipo de vegetação que recobre o Planalto Central do Brasil, com clima quente e seca prolongada, constituída por uma cobertura descontínua de gramíneas, acompanhada por tufos de pequenas árvores e arbustos com tronco e galhos tortuosos, tais como: barba-timão, pau-terra, lixeira, etc. juntamente com barba-de-bode e a palmeirinha sem caule indaiá.
4. Caatinga. Formação vegetal que ocorre no Nordeste Brasileiro, de clima semi-árido, constituída principalmente por espécies caducifólias ( que perdem as folhas na estação seca ) e que se acham mais ou menos dispersas sobre um solo raso e pedregoso. Cactáceas, Bromeliáceas e outras plantas xerófitas ( adaptadas a ambientes secos ) também ocorrem freqüentemente.
5. Floresta Andina. Uma vegetação florestal menos exuberante recobre a parte tropical das vertentes dos Andes e que, à medida que aumenta a altitude, dá lugar a coníferas, depois arbustos e, finalmente a campos, ricos em espécies xerófitas.
Na parte temperada, mais ao sul, ocorre uma formação florestal com araucárias ( pinheiros ), bétulas, epífitas, etc.
6. Campos. Tipo de vegetação caracterizado pela presença de gramíneas baixas que formam uma cobertura ora contínua, ora espaçada ( tufos ), podendo ocorrer pequenos arbustos e raras árvores. Correspondem aos pampas do sul do Brasil, do Uruguai e do norte da Argentina.
7. Pantanal/Chaco. Grande planície de inundação situada no sudoeste do Mato Grosso e oeste do Mato grosso do Sul, que se prolonga em direção da Bolívia e do Paraguai. Recebe o nome de Pantanal no Brasil e de Chaco naqueles países. A vegetação apresenta aspectos peculiares, resultantes da mistura de espécies dos cerrados, das florestas tropicais semi-decíduas e dos campos alagadiços, além das matas ciliares ( que crescem nas margens dos cursos d'água ).

Nenhum comentário:

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget