"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Conhecendo a Lenda da Medusa

CONHECENDO A LENDA DA MEDUSA
Geraldo Victorino de França (Voinho)

Medusa é personagem da mitologia grega, conhecida por três versões um tanto parecidas. Na primeira, o rei do mar, Forco, teve três filhas, as Górgonas, criaturas aladas com pele de cobra e corpo de dragão. Medusa era, das três, a única mortal, e quem a contemplasse se transformava em pedra. Perseu, no entanto, exterminou a Medusa e ofereceu a sua cabeça a Atenas ( ou Minerva ), que a usava como ornamento de seu escudo. Do corpo agonisante de Medusa nasceram o cavalo alado Pégaso e o gigante Crisaor.
Na segunda versão, Medusa era a única Górgona, criatura monstruosa e temível. Para outros, foi uma jovem formosa, atormentada por sua cabeleira, formada por convulsivas serpentes.
A primeira versão é a mais generalizada e a de maior frequência na literatura clássica. Conta-se também que a antiga beleza de Medusa, com seus longos e maravilhosos cabelos, desapareceu por ter ofendido Atenas, que transformou seus cabelos em serpentes e seus olhos que petrificavam qualquer pessoa que a fitasse. Medusa foi morta por Perseu, com a ajuda de Atenas e Hermes. Os antigos contam que Perseu , depois de cortar-lhe a cabeça, passou a levá-la consigo em suas expedições guerreiras, para transformar em pedra os seus inimigos.

2 comentários:

Chica disse...

Sempre aprendemos por aqui!linda lenda! abraços,tudo de bom,chica

Anônimo disse...

tres interessant, merci

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget