"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

segunda-feira, 20 de junho de 2011

CONHECENDO AS AVES MARINHAS

Geraldo Victorino de França (Voinho)

Das aves adaptadas à vida na água, uma parte é constituída por aves que frequentam água doce ( rios e lagos ), chamadas " aves ribeirinhas ", como por exemplo: pato, ganso, cisne, garça, grou, etc. Outra parte se adaptou à água salgada ( mares e oceanos ), chamadas aves marinhas.
Em primeiro lugar, devem ser citados os pinguins, aves peculiares que não voam porque suas asas foram transformadas em nadadeiras, para a locomoção aquática. Vivem em colônias, na Antártida, e buscam alimento no mar. Outras aves marinhas vivem na região costeira e procuram alimento ( peixes, moluscos, etc. ) no mar, tais como: alcatraz, gaivota, albatroz, pelicano, mergulhão, etc.
Com exceção do pinguim, que faz ninho no gelo, todas as aves marinhas procriam em terra. A maioria delas bota apenas um ou dois ovos; quando botam dois, geralmente um não é fecundado. A incubação e os cuidados com os filhotes geralmente leva mais tempo para as aves marinhas do que para as aves terrestres.
Cumpre lembrar que, na costa do Peru, vive grande número de aves marinhas, devido à corrente de Humboldt, que vem do sul e é rica em peixes. Essas aves pescam peixe no mar e seus excrementos vão se acumulando em terra, formando o guano - um fertilizante orgânico que constitui um importante recurso natural daquele país.

Nenhum comentário:

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget