"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

terça-feira, 22 de novembro de 2016

CONHECENDO AS ASSOCIAÇÕES BIOLÓGICAS


Geraldo Victorino de França - Voinho

              Na simbiose há ajuda mútua, cooperação. O exemplo clássico é representado pelos líquens - associações de uma alga com um fungo filamentoso. Graças à simbiose, os líquens  podem sobreviver em lugares inóspitos, como  em altas montanhas, em regiões desérticas e  até em regiões árticas. Os líquens são típicos  da tundra - vegetação das regiões frias.
              No caso do comensalismo, a cooperação é, de certa forma, unilateral: um indivíduo  serve-se de outro sem prejudicá-lo para: a) alimentar-se, como certos besouros que vivem em câmaras de lixo dos formigueiros; b) locomover-se, como a mosca-do-berne, que coloca seus  ovos sobre outras moscas para serem transportados para o gado.
              Já no parasitismo, um organismo vive associado a outro, de espécie diferente denominado hospedeiro, do qual depende para obter o seu alimento. O parasitismo tanto pode ocorrer entre plantas como entre animais. No caso dos vegetais, os parasitas são plantas heterófitas, incapazes de produzir compostos orgânicos  a partir de inorgânicos  ( via fotossíntese ); portanto, devem retirá-los de outras plantas capazes dessa função, chamadas plantas autótrofas. Como exemplo pode ser citado o cipó-chumbo.

               No caso dos animais, o parasitismo pode ser: a) temporário, exemplificado pela lombriga, sanguessuga, etc.; b) permanente, como a maioria dos fungos e bactérias que causam  doenças nos hospedeiros, quer sejam plantas, animais ou o próprio homem.

Nenhum comentário:

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget