"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CONHECENDO OS TIPOS DE CAULE

(fonte Google)

Geraldo Victorino de França (Voinho)

          Caule é a parte da planta intermediária entre as raízes e as folhas. Geralmente é um órgão aéreo, mas assim como existem raízes aéreas, existem também caules subterrâneos.
           Os caules apresentam forma, estrutura e dimensões muito variáveis, podendo ser classificados em vários tipos: a) aéreos - tronco, estipe, colmo, volúvel, etc.; b) subterrâneos - bulbo, tubérculo, rizoma.
           1. Tronco. Caule lenhoso, geralmente ramificado, com os ramos providos de folhas. É encontrado nas árvores e arbustos.
           2. Estipe. Caule lenhoso, geralmente comprido e cilíndrico, não ramificado, com um tufo de folhas na extremidade superior. É o caule das palmeiras.
           3. Colmo. Caule com nós bem definidos e entrenós maciços ( cana-de-açúcar ) ou ocos ( bambu ). É o caule típico das Gramíneas.
           4. Haste. Caule de pouca consistência, herbáceo ou fracamente lignificado, encontrado nas ervas.
           5. Caule volúvel. Caule trepador, que cresce enrolando-se em um suporte que pode ser  outra planta. Exemplos: maracujá, cipós, etc.
           6. Cladódio. Caule achatado, verde  e sem folhas, como o dos cáctos.
           7. Estolho ou estolão. Caule rastejante, que emite raízes para baixo e brotos e folhas para cima. Exemplos: gramas, morangueiro, etc.
           8. Bulbo.Caule subterrâneo com gemas protegidas por catófilos ( folhas modificadas ), que armazenam reservas. Exemplos: alho, cebola, etc.
            9. Tubérculo. Caule subterrâneo, intumescido por conter reservas amiláceas. Exemplos: batatinha, cará, etc.

           10. Rizoma. Caule subterrâneo, de forma semelhante a uma raiz, com função armazenadora de reservas. Emite raízes adventícias  para a terra e folhas para a parte aérea. É  o  caule característico das Pteridófitas, como a samambaia. Encontrado também no bambu  e  na bananeira.

Nenhum comentário:

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget