"VOINHO"

Geraldo Victorino de França é engenheiro agrônomo, professor aposentado da Esalq/USP – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Foi casado com a professora Zilda Giordano Victorino de França, tiveram 4 filhos, 12 netos e cinco bisnetas. Os verbetes surgiram como um hobby,enviados pela Internet aos filhos e netos. São curiosidades e notas explicativas sobre temas diversos. Como são assuntos interessantes e educativos, surgiu a ideia de compilá-los num livro. Muitos desses verbetes já foram publicados na Enciclopédia Agrícola Brasileira, editada pela Esalq/USP e também na coluninha PLANETA TERRA que era publicada aos sábados no Jornalzinho, suplemento infantil do JORNAL DE PIRACICABA. Também já colaborou na coluna PECADOS DA LÍNGUA, coordenada por Elisa Pantaleão, veiculada aos sábados no jornal A GAZETA DEPIRACICABA.
É membro da Academia Piracicabana de Letras - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior

“Voinho” é o apelido carinhoso como é chamado pelos netos e bisnetas.

Seguidores

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Geraldo e Zilda ( Voinho e Voinha)

Voinho, neta e bisnetas

Aprendendo com o Voinho

Aprendendo com o Voinho
by Mara Bombo

terça-feira, 22 de março de 2011

Conhecendo os recursos naturais - 1


CONHECENDO OS RECURSOS NATURAIS
Geraldo Victorino de França (Voinho)

A expressão "recursos naturais " aplica-se aos bens que existem na natureza e podem ser utilizados em benefício das populações humana e animal. Eles garantem o suprimento de alimentos, vestuário, materiais de construção, água, combustíveis, etc. Podem ser divididos em dois grupos: a) recursos renováveis, abrangendo água, pastagens naturais, florestas, fauna silvestre e, até certo ponto, o solo; b) recursos não-renováveis, incluindo petróleo, gás natural, carvão, algumas rochas e diversos minerais, cujas jazidas, uma vez exauridas, não se renovam.
A água se renova através do ciclo hidrológico; as plantas e os animais, por processos de reprodução. Um solo cuja fertilidade foi esgotada por sucessivos cultivos sem adubação pode recuperar-se após alguns anos de repouso; ou então, pela aplicação de técnicas agronômicas. Mas se for destruído por mineração a céu aberto ou erosão severa, a natureza levará milênios para formar um novo solo.
SOLO -É o recurso natural básico, que suporta e alimenta toda a vida vegetal, sem a qual o homem e os animais não poderiam existir. Por outro lado, a cobertura vegetal constitui a proteção mais eficaz contra a erosão e outras causas de depauperamento do solo. Quando o homem retira a vegetação natural para cultivá-lo, a fim de produzir alimentos e matérias-primas que necessita para a sua subsistência, o solo fica exposto à ação dos agentes de desgaste: remoção de nutrientes pelas colheitas, perdas por erosão e lixiviação, salinização, etc.
Existem muitos tipos de solo, os quais apresentam condições muito variáveis, tais como: rasos ou profundos, arenosos ou argilosos, com ou sm seixos e/ou pedras, com declives suaves ou acentuados, fertilidade alta ou baixa, etc. Portanto, possuem diferentes capacidades de uso, isto é, aptidão para culturas, pastagens ou florestas, ou ainda, impróprias para uso agrícola, podendo servir apenas para recreação e abrigo da fauna silvestre.
Muitas técnicas foram desenvolvidas para a conservação do solo, as quais se baseiam em dois princípios básicos; a) usá-lo de acordo com a sua capacididade; b) tratá-lo segundo as suas necessidades.

Nenhum comentário:

Profª Zilda e Dr. Profº França

Profª Zilda e Dr. Profº França

Esta é a mais nova netinha do Voinho, a Maria Valentina

ORAÇÃO DOS ANIMAIS DA POETISA IVANA M F NEGRI DECLAMADA POR BETTY GOFFMAN NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Ocorreu um erro neste gadget